Por felipe.martins

Rio - O governador Luiz Fernando Pezão afirmou ontem que o estado precisa encontrar um pátio para alocar os carros roubados e carcaças de veículos que estão no Complexo da Maré. De acordo com ele, os automóveis estão sendo usados como depósitos de drogas e armas.

“Precisamos tirar esse veículos de lá urgentemente e colocar em local especial, porque está servindo como depósito de drogas”, disse Pezão, durante debate sobre as transformações do estado e ações para a área de segurança, que contou com a presença de empresários.

A Força de Pacificação do Exército, que atua na Maré, confirmou a informação do governo. Segundo eles, muitas drogas e armas estão sendo apreendidas em veículos que, a princípio, apenas parecem estar estacionados. Segundo o Exército, a maior apreensão foi de 20 kg de cocaína dentro de um veículo. Do início da ocupação até ontem, 24 motos e 11 carros roubados foram recuperados.

Apesar de não saber se manterá o posto de governador em 2015, Pezão, que é candidato na eleição de outubro, contou que o planejamento da área de Segurança do ano que vem já está sendo elaborado e incluirá novas UPPs. Ele se reuniu na manhã de ontem com o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, quando mapearam áreas que receberão o projeto.

Apesar de não dizer quais regiões estarão no planejamento, o governador alegou que as manchas criminais que mais preocupam o governo são as de Niterói, São Gonçalo, Mesquita e Nilópolis.

O governador também anunciou que o Comando de Operações Especiais (COE), finalmente, sairá do papel. Com um atraso de quatro anos, a licitação da unidade deverá sair ainda esta semana em edital. De acordo com Pezão, o projeto foi orçado em R$ 220 milhões e vai abrigar o maior complexo de treinamento de Polícia Militar no país. O terreno, em Ramos, vai receber cinco unidades de elite, inclusive, o Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Você pode gostar