Jovem morto em Manguinhos seria soldado do Exército, diz família

Segundo informações da assessoria das UPPs, ele teria disparado contra PMs

Por O Dia

Rio - Jonatan de Oliveira, 19 anos, baleado por policiais militares na UPP de Manguinhos no fim da tarde desta quarta-feira, seria soldado do Exército, lotado no quartel do Caju, segundo a família do jovem. Ele foi socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do local, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Jovem estaria lotado no ExércitoErnesto Carriço / Agência O Dia

A tia do rapaz, Alessandra de Oliveira, 30 anos, contou que ele havia acabado de sair de casa quando houve uma confusão na comunidade e PMs começaram a atirar. Um dos disparos acertou Jonatan nas costas. O corpo foi levado para a UPA, onde a família está neste momento.

Moradores, no entanto, afirmam que o jovem havia abandonado a atividade militar há alguns meses. E, por isso, ele já estaria na condição de desertor.

UPP afirma que jovem teria atirado em policiais

De acordo com a assessoria das UPPs, policiais estavam em patrulhamento pela localidade do Barrinho quando se depararam com criminosos armados iniciando um confronto.

No local foi apreendida grande quantidade de drogas e os criminosos fugiram. A ocorrência foi registrada na 21ª DP (Bonsucesso). Após esta ocorrência, policiais do 22º BPM (Maré) avisaram a UPP sobre a entrada de um homem baleado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Manguinhos. Os policiais foram até a unidade de saúde e o reconheceram como sendo o autor dos disparos contra os policiais da UPP.

Pelo menos 60 moradores fizeram um protesto em frente à base avançada na Favela da Coréia, que pertence à UPP. Policiais do 22º BPM (Maré) Batalhão de Operações Especiais (Bope), Choque e de outras UPPs foram deslocados para o local. O tumulto foi contido e as vias ficaram interditadas por precaução. Neste momento o policiamento segue reforçado e as vias foram reabertas.

Últimas de Rio De Janeiro