Por thiago.antunes

Rio - O Instituto de Segurança Pública divulgou, nesta segunda-feira, dados oficiais consolidados das incidências criminais nas áreas de atuação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) do Estado do Rio de Janeiro em relação ao ano de 2013. Segundo o ISP, foi constatado que os números apresentaram melhora nos índices criminais.

Em casos de mortes violentas (como por exemplo roubo seguido de morte), houve redução de 18 vítimas. No ano de 2013 foram 50 vítimas, e no mesmo período em 2012 foram 68 vítimas. Foi uma redução de 26,5%. Para homicídios dolosos (com intenção de matar), huve uma redução de 12 vítimas. No ano de 2013 foram 36 vítimas, e no mesmo período em 2012 foram 49 vítimas. Foi uma redução de 26,5%.

Já em relação a mortes provocadas pela polícia, foram seis vítimas a menos. Cabe ressaltar que não é considerado cálculo percentual, devido ao número de casos. Foram 19 mortes em 2012 e 12 no ano de 2013. A lesão corporal dolosa apresentou uma redução de 14,0% (menos 462 vítimas). Foram 3.291 vítimas em 2012 e 2.829 em 2013. Apreensão de drogas apresentou ndicadores positivos. O número subiu 23,2%, com 355 casos a mais. Foram 1.661 registros em 2012 e 2.046 no ano de 2013.

No entanto, houve aumento nos roubos de rua, com aumento de 7,0% no número de roubos de rua. Foram 15 roubos a mais que o observado no ano de 2012. Foram registrados 213 roubos de veículos em 2012 e 228 no ano de 2013. Além deste tipo de crime, foi observado um crescimento de 5,8% no número de roubos de veículos. Foram 4 roubos a mais que o observado no ano de 2012. Foram registrados 69 roubos de veículos em 2012 e 73 no ano de 2013.

Até o momento estão disponíveis dados de 30 Unidades de Polícia Pacificadoras implantadas: Adeus/Baiana; Alemão; Andaraí; Batam; Borel; Cidade de Deus; Chapéu Mangueira/Babilônia; Coroa/Fallet/Fogueteiro; Escondidinho e Prazeres; Formiga; Macacos; Mangueira; Nova Brasília; Pavão-Pavãozinho; Providência; Salgueiro; Santa Marta; São Carlos; São João/Quieto/Matriz; Tabajaras; Turano; Vidigal; Fazendinha; Chatuba; Fé/Sereno; Parque Proletário; Vila Cruzeiro; Rocinha; Manguinhos e Jacarezinho.

Os dados das UPP são divulgados após um ano completo da data de implantação de cada uma. Para contribuir com a análise temporal das incidências nas áreas consideradas, os dados de cada UPP são retroagidos no período de um ano antes do começo da implantação.

Os números são referentes apenas às ruas ou trechos de ruas que estão sob a responsabilidade das UPP. O estudo do ISP foi feito juntamente com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora que tomou por base as ruas e pontos de referência de cada comunidade e os limites das UPP publicados no Diário Oficial.

Você pode gostar