Por thiago.antunes

Rio - O motivo da falta de medicamentos de tuberculose no Rio virou jogo de empurra entre os órgãos responsáveis pela distribuição. O governo estadual, que recebe os remédios e repassa para o município, diz que o Ministério da Saúde entregou os lotes com atraso. O Ministério, por sua vez, afirmou que não houve alteração nas quantidades e datas de entrega.

O impasse já prejudicou centenas de portadores da doença, que estão recebendo os medicamentos fracionados desde a semana passada. A promessa é que a situação seja normalizada até sexta-feira. O Ministério da Sáude informou que a remessa de 1,1 milhão de comprimidos enviada ao estado em 25 de abril e 21 de março é suficiente para toda a demanda fluminense até o final de julho. Em nota, o órgão disse que não recebeu nenhuma comunicação do estado e município sobre a falta de remédios, o que pode ser feito a qualquer momento.

A Secretaria estadual de Saúde alega que recebeu lotes fracionados e que o Ministério da Saúde irá complementar a remessa no fim de junho. Nesta segunda-feira, equipe do DIA percorreu postos de saúde da Zona Norte e constatou o reabastecimento parcial de alguns remédios.

Paciente percorreu cinco postos

De acordo com o pneumologista Alexandre Milagres, o paciente que interrompe o tratamento da tuberculose pode sofrer o retrocesso da doença. “Quando o portador deixa de tomar o remédio, a bactéria passa a ficar resistente e compromete toda a evolução do quadro”, explicou Alexandre.

O tratamento dura seis meses e é divido em duas fases: a primeira com quatro antibióticos e a segunda com dois. Para não ficar sem tomar o remédio, a estudante Aline Luiza Soares, foi obrigada a prolongar a primeira fase. “Estou há uma semana procurando os remédios da segunda fase e não acho. Meu médico estendeu a primeira por cinco dias para eu não ficar descoberta”, contou Aline, que já percorreu cinco postos de saúde em três dias e não achou os medicamentos.

Você pode gostar