Por thiago.antunes

Rio - Engenheiros, arquitetos e geólogos do Rio decidem nesta quinta-feira se voltam a cruzar os braços como fizeram por três dias na semana passada. A decisão sairá da assembleia que acontece a partir das 14h, na sede da Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do Rio de Janeiro – Seaerj, quando serão definidos os rumos do movimento por reajuste salarial.

Na semana passada, engenheiros, arquitetos e geólogos da Prefeitura paralisaram suas atividades nos dias 13, 14 e 15 como forma de mobilização, com a realização de atos em frente à sede da administração municipal e à Câmara de Vereadores. Em função deste movimento, na quarta-feira, o presidente da Seaerj, Joelson Zuchen, foi contatado pelo líder do Governo na Câmara, vereador Luis Fernando Guaraná, o qual garantiu que Eduardo Paes se comprometia a negociar imediatamente, se a paralisação fosse suspensa.

Desta forma, no dia seguinte, em assembleia realizada na sede da Seaerj, a categoria decidiu encerrar a paralisação para tentar negociar com o prefeito. Segundo eles, nenhuma reunião foi marcada até agora. Os engenheiros, arquitetos e geólogos do Município reivindicam salário inicial de R$ 8.400,00 – hoje o piso bruto da categoria é de cerca de R$ 4.700.

Com a paralisação, obras da Prefeitura do Rio, entre elas as relativas aos Jogos Olímpicos de 2016, podem ser afetadas pois estas dependem dos engenheiros e arquitetos para sua fiscalização e acompanhamento, assim como da “assinatura” destes para que os pagamentos sejam liberados às empresas executoras.

Você pode gostar