Por thiago.antunes

Rio - Terminou com cinco presos a operação de policiais da 16ªDP (Barra da Tijuca), com o apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), nesta sexta-feira, no Morro do Banco, no Itanhangá, na Zona Oeste, com o objetivo de coibir a presença de traficantes das comunidades do Borel, Lins e Alemão, que foram pacificadas nos últimos anos. A ação da polícia foi motivada após denúncia recebida através do WhatsApp do DIA (98762-8248), de que bandidos expulsaram um morador de sua casa na comunidade.

Armas como um machado%2C que serviam para torturar os moradores da comunidade do Morro do Banco%2C no Itanhangá%2C foram apreendidas pela polícia durante operação nesta sextaSeverino Silva / Agência O Dia

Os policiais foram recebidos a tiros e houve intenso confronto. Um dos criminosos foi atingido no tiroteio. Identificado como Diego Ferreira da Silva Santos, 22 anos, ele foi socorrido e conduzido ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, onde permanece internado sob custódia.

Ele foi autuado em flagrante por tráfico de drogas, associação para fins de tráfico e porte ilegal de arma de fogo de uso restrito – assim como Izaías Batista de Andrade, 21 anos, Thiago Batista Pinto, 19 anos, e Hamilton Sant’Anna Lyra, o Tico, 41 anos. Os dois menores foram apreendidos e citados pela prática de fato análogo aos mesmos crimes.

Os policiais também prenderam Jorge Rodrigo Oliveira de Souza, o Careca, 26 anos, contra quem constava um mandado de prisão pendente expedido pela 20ª Vara Criminal da Capital, por roubo qualificado. De acordo com a Polícia, ele é integrante da facção criminosa Comando Vermelho (CV) e lidera o tráfico na região.

Um suspeito acabou sendo morto na operação realizada nesta sexta-feira%2C pela Polícia Civil%2C no Morro do Banco%2C no ItanhangáSeverino Silva / Agência O Dia

No total, os agentes apreenderam um fuzil Rugger calibre 223 e uma pistola 9mm, além de drogas, material de endolação, rádios de comunicação, munição e carregadores de fuzil. Duas motos também foram recuperadas.Os presos foram conduzidos ao Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, também na Zona Oeste, onde permanecem à disposição da Justiça.

Antigo morador era perseguido pelos traficantes

Segundo X., de 32 anos, bandidos do Comando Vermelho começaram a ameaçá-lo após descobrirem que ele era vizinho de um antigo miliciano que morava na comunidade e também porque não guardava drogas ou dava abrigo a eles em dias de ações do 31ºBPM (Recreio dos Bandeirantes), responsável pela área.

“Também implicaram porque eu não vendia pó Royal”, revelou X, que morava no morro com o filho e esposa há cinco anos. Ele deixou a área só com a roupa do corpo. Em nota, a Polícia Militar informou que o batalhão não recebeu denúncia de expulsão de moradores no local. A corporação ressaltou que está sendo estudada para o próximo semestre, após a chegada de novos policiais, uma ocupação da comunidade.

O comerciante afirmou que após ser expulso procurou a 16ªDP, mas foi informado que só a PM poderia ir ao local para ajudar a retirar seus pertences da casa. No dia seguinte, ele voltou na distrital e ouviu que os agentes estavam em greve e não abriria inquérito. De acordo com o delegado Mário da Silva, a vítima pode procurar a delegacia para registrar o caso, que será investigado. O responsável pela distrital afirmou que há um procedimento que apura a ação de criminosos na região.

PM prendeu 13 suspeitos em 45 dias

Segundo o comando do 31ºBPM, durante operações realizadas no Morro do Banco nos últimos 45 dias foram detidos 13 suspeitos de ligação com o tráfico e um outro foi morto em confronto. A PM informou ainda que a pessoa que se sentir ameaçada deve procurar a polícia através do telefone 2332-7448 ou pelo Disque-Denúncia (2253-1177).

Bandidos reviraram a casa do comerciante e expulsaram sua família%2C que foi abrigada por parentesDivulgação

Na quarta-feira, a vítima ligou para um amigo que mora no Morro do Banco e ele contou que a casa e o comércio dele estavam revirados e alguns produtos foram queimados. “Muito triste ver isso. O Banco era um lugar tranquilo. Queria uma ocupação da PM lá e esses bandidos sumiriam rápido”, afirmou o comerciante, dizendo que sabe quem foram os responsáveis por invadir sua casa.

A Polícia Civil informou, em nota, que a Corregedoria Interna da Polícia Civil (Coinpol) está à disposição para receber denúncias de eventuais problemas de conduta de policiais, assim como a Ouvidoria das Polícias (telefone: 3399-1199 ou [email protected]).

Você pode gostar