Por thiago.antunes

Rio - Uma frota de luxo a serviço do crime. Além de impor aos moradores uma rotina de medo e tiroteios constantes, com direito a circular com armamento pesado pelas ruas da favela, traficantes do Morro da Serrinha, em Madureira, aderiram também ao hábito de ‘colecionar’ carrões. A ostentação dos bandidos em veículos caros — avaliados em mais de R$ 60 mil cada —, usados para transportar os chefões do pó com conforto, virou alvo de investigação da Polícia Civil. Em um mês de levantamentos, agentes descobriram que os carros são roubados e tiveram as placas clonadas, para não chamar a atenção.

Nesta quinta-feira, em operação conjunta da 29ª DP (Madureira), 9º BPM (Rocha Miranda) e Guarda Municipal, nove veículos foram apreendidos na comunidade. Um deles, uma Range Rover Evoque, seria de uso exclusivo do chefão do pó local, Walace de Brito Trindade, o Lacosta. Foram usados diversos reboques para transportar os carros para a delegacia. O helicóptero blindado da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) deu apoio à operação, no início da manhã.

Vidros de alguns carros clonados foram quebrados para facilitar o uso de fuzis%2C segundo a políciaPaulo Araújo / Agência O Dia

A polícia começou a apurar o caso depois de perceber o grande número de carros de luxo que circulavam pela comunidade. “Eram muitos carros novos e caros, que destoavam do cenário humilde da comunidade”, contou um dos investigadores.

Além disso, há mais ou menos um mês, um Honda Civic envolvido em um acidente com um ônibus chamou a atenção da polícia. Após a batida, desceram do carro bandidos armados, que abriram fogo no meio da rua para dar fuga à Lacosta, um dos ocupantes do veículo que colidiu.

Durante a apuração dos fatos, agentes começaram a levantar os dados dos veículos e descobriram que eles tinham sido roubados, mas usavam placas clonadas de carros em situação regular. Alguns dos carros apreendidos ontem tinham placas copiadas de veículos de outros estados. Em outras ações espaçadas, a polícia já apreendeu um total de 18 carros na mesma situação. As investigações apontam ainda que os vidros de todos os veículos teriam sido quebrados pelos criminosos para dar espaço aos fuzis, que circulavam pelas ruas com a ponta para fora das janelas.

Foragido desde 2007

A investigação deu origem a outro inquérito, que vai apurar a atuação da quadrilha nos roubos de carros e clonagens das placas. Segundo policiais, Lacosta estaria envolvido tanto nos roubos quanto na remarcação dos chassis. Ele está foragido do sistema penitenciário desde 2007, quando recebeu o benefício de migrar para o regime semiaberto (quando o preso sai durante o dia e dorme na cadeia).

Ainda de acordo com o levantamento, a quadrilha não teria uma área de atuação específica. Os carros localizados ontem foram roubados em Madureira, Bonsucesso, Barra da Tijuca, Inhaúma e Nova Iguaçu. “Para eles, o que importa é a oportunidade para roubar facilmente e se o carro tem alto valor no mercado, para eles ostentarem”, contou um policial.

Todos os veículos apreendidos foram periciados e encaminhados para o Pátio Legal. Agentes da 29ª DP já identificaram os proprietários dos carros roubados, que serão chamados pela Delegacia de Roubos e Furtos de Autos (DRFA) a partir de hoje para recuperar seus bens.

Você pode gostar