Por paloma.savedra

Rio - Duas testemunhas do caso do cineasta Eduardo Coutinho serão ouvidas, na segunda-feira, em audiência de instrução de julgamento no Tribunal de Justiça do Rio.

No processo, que está tramitando na 1ª Vara Criminal, o jornalista Daniel de Oliveira Coutinho é acusado de assassinar a facadas o próprio pai. Serão ouvidos um delegado da Divisão de Homicídios da Polícia Civil do RJ e o porteiro do prédio onde ocorreu o crime.

Considerado um dos melhores documentaristas brasileiros, Eduardo Coutinho foi morto a facadas dentro de seu apartamentoDivulgação

O cineasta Eduardo Coutinho foi assassinado este ano, no dia 2 de fevereiro, dentro do apartamento onde morava, na Lagoa, Zona Sul do Rio. Seu filho, Daniel - que segundo parentes e amigos, sofre de problemas mentais -, foi preso em flagrante.

Considerado um dos melhores documentaristas do país, Coutinho dirigiu filmes como Cabra marcado para morrer, em 1984; Babilônia 2000, em 2000, e Edifício Master, em 2002. 

Daniel teve sua prisão em flagrante convertida em preventiva. A mãe dele, Maria das Dores Oliveira Coutinho, também foi atacada pelo filho, mas sobreviveu. Daniel Coutinho responde por homicídio qualificado e tentativa de homicídio.

Você pode gostar