Por thiago.antunes

Rio - "Estamos passando sufoco". Assim foi definida a situação por moradores do bairro Parque Colúmbia, na Pavuna, Zona Norte do Rio, sobre a falta d'água que causa há três dias transtornos na vida deles.

De acordo com Elziana Schuls, de 54 anos, que vive na Rua Madagascar, o problema de abastecimento começou no último sábado: "Fui lavar roupa pela manhã e não tinha mais água". Ela contou que os moradores costumavam ser avisados pela Cedae da interrupção no abastecimento antes que faltasse água, o que não ocorreu desta vez. Segundo a assessoria da Cedae, não há problemas de entrega do serviço na região.

Com 71 anos, Alda da Cunha Antunes da Paz - conhecida como Dona Alda - que vive há 49 anos no Parque Colúmbia, disse que o problema de falta d'água é antigo. Depois de anos de reclamações, segundo ela, teria sido, finalmente, instalada uma bomba para abastecer as caixas d'água dos moradores. No entanto, Dona Alda, que mora na Rua Alfonso Ortiz Tirado, conta que só a bomba não solucionou o problema de abastecimento. "Melhorou, mas quando falta luz, acabamos ficando sem água de novo". Ela diz que o pouco de água que tinha na cisterna praticamente acabou e, agora, não sabe o que fazer ou a quem recorrer.

O mesmo acontece com José Messias de Jesus Junior, 37. Há 4 anos vivendo na comunidade, José não sabe como encontrar uma solução para o caso: "Já não tenho mais água na caixa, estou pensando em um caminhão-pipa, mas o acesso ao local onde moro é complicado". Para ele, o problema é ainda mais complexo, pois, de acordo com o morador, ele tenta, em vão, junto à Cedae, regularizar a conta d'água.

Também na Alfonso Ortiz Tirado , funciona uma creche municipal. Segundo José, que trabalha como agente de educação infantil, a cisterna da creche também está quase sem água e, caso as aulas não fossem interrompidas na próxima quarta-feira, por conta da Copa do Mundo, seria provável que faltasse água também na instituição de ensino. Sobre essa possibilidade, a assessoria da Cedae informou que sendo uma creche municipal, a instituição pode solicitar o envio de um caminhão-pipa, caso haja falta d'água.

Em vistoria técnica realizada na terça-feira por uma equipe da Cedae, os representantes da empresa de abastecimento constataram que a bomba da Elevatória Ruanda, responsável por abastecer o local, estava queimada. De acordo com a assessoria da concessionária, a troca está sendo feita e o abastecimento será normalizado até quarta-feira.

Você pode gostar