Por thiago.antunes

Rio - O pré-candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos e Marina Silva visitaram, na tarde desta terça-feira, o bairro de Vigário Geral, na Zona Norte do Rio. Os dois foram recebidos pelo presidente da ONG AfroReggae, José Júnior, e assistiram a um espetáculo do grupo e da banda de percussão Makala.

Eduardo Campos e Marina Silva assistiram apresentação de grupo de percussãoAurélio Gimenez / Agência O Dia

Eduardo Campos está no Rio para fazer pré-campanha. Por volta das 20h, ele se reunirá com a classe artística em jantar no Jockey Club Brasileiro, na Gávea. O político está no Rio apenas quatro dias após as Executivas nacionais do PSB e do Pros fecharem acordo em torno do nome do deputado federal Miro Teixeira para concorrer ao Palácio Guanabara. No entanto, nem Miro e o deputado federal Romário, pré-candidato ao Senado pelo PSB, acompanharam o tour de Campos e Marina pela favela de Vigário Geral.

Apesar de críticas de membros do partido à aliança com o Pros no Estado do Rio, Campos foi diplomático afirmando que as candidaturas ainda estão se efetivando e em fase de preparação. "Nós temos um candidato, que é o Miro e que tem o nosso apoio. Não conversamos nem com Lindbergh (Farias, pré-candidato do PT), nem com Garotinho (pré-candidato do PR)", disse o ex-governador de Pernambuco.

Eduardo Campos e Marina Silva assistiram a apresentação de grupo de percussãoAurélio Gimenez / Agência O Dia

Segundo ele, as dissidências que estão ocorrendo nos partidos que compõem a base de governo de Dilma Rousseff irá ocorrer em vários estados à medida que o governo perde o apoio popular e com a aproximação da campanha eleitoral. Conforme Campos, com a sociedade se descolando claramente da continuidade e caminhar para a mudança, "é natural que muitos (políticos) da base de sustentação vão se descolando também para a mudança".

"É um processo que já aconteceu na sociedade e vai acontecer com muitos quadros políticos Brasil afora', afirmou Campos.

Você pode gostar