Por thiago.antunes

Rio - A Divisão de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DH-Nit/SG) procura a mulher que foi vista por um vizinho em frente à casa do coronel reformado do Exército Aloísio Resende de Mendonça, de 79 anos, horas antes da descoberta da morte dele. O militar foi encontrado com marcas de pancadas na cabeça dentro de casa, na Alameda João Batista, em Icaraí, na Zona Sul de Niterói, na quinta-feira.

“Acreditamos que o crime tenha ocorrido entre 22h de quarta-feira e 2h de quinta. Uma testemunha viu o carro dele entrando na garagem, por volta das 22h, e quando passou novamente pela residência, já às 2h da manhã, o veículo não estava mais lá”, revelou o delegado Wellington Vieira, titular da DH-Nit/SG.

O policial também garantiu que o caso está sendo tratado como latrocínio (roubo seguido de morte), mas que o Exército apura se o oficial tinha alguma relação com o também coronel da reserva Paulo Manhães, assassinado em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, em abril.

Peritos estiveram na casa de Aloísio Resende%2C em Icaraí%2C Niterói%2C logo após o corpo ser encontradoO São Gonçalo

R$ 20 mil roubados

Investigadores informaram que o militar tinha quatro filhos, mas não morava com a família. Ele alugava um quarto para um jovem, que não passou a noite do crime no local e foi quem encontrou o corpo — de pijama e em cima da cama.

“Na véspera do crime, ele havia recebido o pagamento (soldo), de cerca de R$ 20 mil. Esse dinheiro sumiu”, declarou Wellington, ressaltando que outros objetos também foram levados por quem matou o oficial — inclusive o carro do militar. O delegado Wellington Vieira disse que cerca de 48 horas de imagens gravadas por câmeras de segurança existentes ao longo da via estão sendo analisadas na tentativa de conseguir localizar imagens dos criminosos saindo ou entrando naquele imóvel.

Você pode gostar