Ex-funcionária do Ministério Público acusada de chefiar quadrilha é presa

Ela e sua ex-sócia são investigadas por crimes de estelionato, falsificação de sinal público e tráfico de influência

Por O Dia

Rio - Uma ex-funcionária do Ministério Público Eleitoral foi presa, nesta terça-feira, durante a continuação da Operação Moriarty, desencadeada em conjunto entre o MP e a Polícia Federal. A polícia já havia feito buscas e apreensões na casa Luisa Velasco no dia 10 de junho. Na ocasião, sua ex-sócia, a advogada Valesca Rodrigues havia sido presa, de acordo com a 7º Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro, onde o processo tramita, sua prisão foi convertida de temporária (5 dias) para preventiva (30 dias).

A dupla é investigada sob a acusação de chefiarem uma quadrilha que comete crimes de estelionato, falsificação de sinal público, tráfico de influência e formação de quadrilha. Ambas responderão pelos crimes presas.

No inquérito da PF foi constatado que no mínimo dois médicos, clientes da advogada Valesca, foram induzidos a acreditar que existiam investigações contra eles em diferentes órgãos, como Ministério Público Federal, Polícia Federal e Polícia Civil, para que realizassem pagamentos a pretexto de influenciar decisões ou por serviços advocatícios que não existiriam. O atendimento das vítimas no escritório de advocacia era feito pelas duas acusadas.

Últimas de Rio De Janeiro