Torcida brasileira tira onda e dá dicas de como saborear camarão em dia de jogo

Partida entre Brasil e Camarões pela Copa do Mundo acontece em Brasília nesta segunda-feira

Por O Dia

Rio - ‘O que você acha de Camarões na Copa? Opa! Com cerveja vai bem”. A piadinha é uma das muitas que circulam nas redes sociais relacionadas à seleção africana, adversária do Brasil hoje, às 17h, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Bem-humorada, a torcida promete unir o útil ao agradável: ganhar dos camaroneses e ainda tirar um sarro com a equipe do atacante Samuel Eto'o, de 33 anos, o jogador mais famoso do time, já desclassificado.

“Camarões sempre foi um petisco delicioso, dentro ou fora de campo”, provoca o apresentador de TV Raiam Santos, de 23, enquanto aprecia uma porção de camarões ao alho e óleo, preparado por David Bispo, dono do Bar do David, no Morro do Chapéu Mangueira, no Leme.

Erisvaldo de Oliveira%2C o Vaval%2C diz que a sopa de camarão com batata baroa é um prato ideal para quem quer entrar no clima do jogo de logo maisJoão Laet / Agência O Dia

Outro chefe, Erisvaldo de Oliveira, o Vaval, do Restaurante Nomangue, em Copacabana, garante que uma boa sopa de camarão com batata baroa é um prato ideal para quem quer entrar no clima do jogo. “Combina com muitos tipos de bebidas, principalmente chope ou cerveja”, comenta Vaval, que, através de 15 cardápios diferentes, chega a vender meia tonelada de camarões por mês em seu estabelecimento.

Na praia, o crustáceo já ganha de goleada há anos de outros petiscos. “Sobrevivo da venda de espetinhos de camarão há 20 anos. Em de jogos procuro ficar próximo aos telões e acabo vendendo mais. Amo camarões, mas hoje a torcida é pelo meu Brasil”, brinca Anderson Rodrigues, de 25, no meio dos torcedores Tácio Medeiros, de 23, e Rafael Rodrigues, de 25. “O duelo terá um sabor especial de vitória. Pode anotar aí: Brasil vai golear de 4 a 0”, arrisca Rafael. “Vamos colocar camarões no fogo”, comenta o universitário Gerson Saldanha, de 23.

Já a arquiteta Janethe Pinheiro, de 26, que comprou ingresso para a partida, disse que seu alvo será Eto'o, que é dúvida na escalação por conta de uma contusão. O atleta, que é casado e tem dois filhos, foi fotografado com a esposa de Jacques Songo’o, ex-goleiro de sua seleção, em um hotel no Espírito Santo. “Vamos pegar no pé dele. O objetivo é desestabilizar emocionalmente o time inteiro, na verdade”.

Camarões tem quatro quatro títulos continentais, uma medalha de ouro olímpica e joga a sétima Copa. Neste Mundial, porém, não conseguiu repetir a campanha de 1990, quando a equipe, que tinha Roger Milla como astro,chegou às quartas de final e terminou em sétimo lugar.

Clique na imagem para abrir o infográficoAgência O Dia

Camaroneses mostram-se decepcionados

Camaroneses que vivem no Brasil se disseram felizes pela simples presença na Copa do ‘Leões Indomáveis’, como são conhecidos os jogadores do país. Mas também não escondem a decepção com a equipe. “Eu sabia que Camarões não iria longe. O time já chegou cansado e com Eto’o gordo, fora de forma. O jeito agora é torcer pelo Brasil, minha segunda pátria”, critica a artesã Juliane Seke, de 65, que mora há 17 deles no Rio, onde tem uma barraca na Feirinha de Copacabana, na altura do Posto 5.

O médico Eitel Mpollo, de 46, que atua como cirurgião e socorrista numa Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Nova Iguaçu, na Baixada, conta que assistirá à partida em Brasília, mas que está muito chateado com o desempenho do time.

“Depois desse fiasco, os Leões não podem entregar os pontos. Vão ter que conquistar ao menos um empate para não saírem ainda mais criticados”, disse Mpollo. Para ele, a indisciplina dos atletas levou a equipe a ter a pior participação em Mundiais. “O pior é que o Flamengo, para quem eu torço também, está mal das pernas”, lamentou.

Samba de raiz, comida e futebol

O jogo Brasil x Camarões vai inspirar petiscos temáticos na roda de samba de terreiro do Centro Cultural Cartola, na Mangueira, hoje, a partir de 17h. Sambistas e visitantes poderão assistir ao jogo e degustar camarões fritos, ao alho e óleo e à paulista, caldinho e pastel feito com o crustáceo. Os preços vão variar entre R$ 10 e R$ 20.

De acordo com a direção do centro cultural, um telão foi instalado na sede da entidade, que também vai abrir as portas do Museu do Samba para visitas, entre 10h e 17h, a R$ 10. Já a roda de samba vai ser comandada pelos compositores Rafael, Jorge e Gilson Bernini e instrumental do grupo Samba d'Antiga. No repertório, samba e partido alto.

Últimas de Rio De Janeiro