UPP na Maré é adiada de novo

Estado pode pedir que Força de Pacificação federal permaneça por mais tempo. A previsão é que ocupação só ocorra a partir de outubro

Por O Dia

Rio - O maior legado que a Copa do Mundo vai deixar para os moradores do Complexo da Maré é o adiamento, mais uma vez, da instalação de suas Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs). A previsão é de que a ocupação pela Polícia Militar só ocorra a partir de outubro, ainda sem data definida. O motivo é a impossibilidade de colocar no conjunto de favelas, logo após o Mundial, o efetivo de 1.600 policiais previsto para atuar nas três UPPs da Maré. Tanto que, nos bastidores, o governo do estado já ensaia o pedido que deverá fazer ao Ministério da Defesa para prorrogar a permanência da Força de Pacificação do Exército.

Pelo acordo, a tropa deveria ficar no Rio até 31 de julho. O que ainda não foi definido pelo Executivo estadual, porém, é quanto tempo a mais será solicitado ao Ministério da Defesa. Os militares que hoje ocupam a Maré vieram de quartéis do Paraná e do Rio Grande do Sul e chegaram no fim do mês passado para substituir os soldados cariocas, que foram atuar no esquema de segurança da Copa.

Sem efetivo suficiente para UPP%2C militares permaneceriam na favelaSeverino Silva / Agência O Dia

A pendência para a instalação foi, justamente, a realocação feita pela Secretaria de Segurança para atuar na Copa. O efetivo da UPP Maré já está formado — 1.000 dos novos policiais concluíram o curso de formação na semana passada. Mas antes de encarar o desafio de pacificar um dos principais redutos do tráfico do Rio, terão que cobrir as férias dos PMs do interior do estado, que foram canceladas para reforçar o patrulhamento da Região Metropolitana durante o Mundial. O benefício suspenso em junho será reposto nos meses de agosto e setembro.

O planejamento da Secretaria de Segurança previa a ocupação em meados do primeiro trimestre. Em 30 de março, o conjunto de favelas foi retomado pelo Bope. Uma semana depois da varredura feita pelos ‘caveiras’, a Força de Pacificação assumiu o patrulhamento da Maré em 5 de abril.

Dias antes da entrada das forças de segurança, o maior traficante da região — que liderava 11 das 15 quadrilahs locais — foi preso pela Polícia Federal. Marcelo Santos das Dores, o Menor P., estava escondido em Jacarepaguá.

?Últimas unidades do ano

?As três UPPs do Complexo da Maré serão as últimas instaladas no ano e na atual gestão estadual. Segundo fontes da Segurança Pública, não haverá efetivo suficiente nem tempo para isso, já que a PM terá três eventos de grande porte pela frente:as eleições de outubro, a Operação Papai Noel e o Réveillon, em dezembro.

As unidades fecham — e ultrapassam — a conta feita inicialmente pela Secretaria de Segurança de instalar 40 unidades até 2014. Na Maré, os locais ainda não foram definidos, nem os oficiais que comandarão as unidades.

Últimas de Rio De Janeiro