Ingressos da Copa revendidos por quadrilha poderiam chegar a R$ 35 mil

A polícia estima que a quadrilha tenha movimentado até R$ 200 milhões com a venda a preços exorbitantes

Por O Dia

Rio - Onze pessoas foram presas acusadas de envolvimento com uma quadrilha de cambismo que estava revendendo ingressos para a Copa do Mundo nesta terça-feira. Três empresas de turismo foram fechadas e as contas correntes dos envolvidos serão bloqueadas. A operação teve o apoio de agentes de dezenas de delegacias e do Ministério Público.

Com a quadrilha foram apreendidos diversos ingressos da Copa do Mundo%2C assim com dinheiro%2C passaportes e aparelhos celularesSeverino Silva / Agência O Dia

De acordo com o delegado da 18ª DP (Praça da Bandeira), Fábio Baruke, o chefe do bando é um francês de origem argelina identificado como Mohamadou Lamine Sofana, de 57 anos. Segundo as investigações, este seria o quarto Mundial que o grupo agia. A polícia estima que a quadrilha tenha movimentado até R$ 200 milhões com a venda a preços exorbitantes. O valor do ingresso estava alternando à medida que o Brasil se aproximava da final da Copa, podendo chegar até R$ 35 mil.

Segundo a polícia, a quadrilha conseguia os ingressos através de cortesias e ONGs. Todos os ingressos eram legais. E a valorização era de 200 a 1000%. O grupo conseguia vender até R$ 700 mil por cada lote de ingresso.

Os acusados foram presos nesta terça-feira no Rio de Janeiro e também em São PauloSeverino Silva / Agência O Dia

A Civil também está investigando algum funcionário da Fifa para apurar se alguém liberava os ingressos para o chefe da quadrilha. Mohamadou Lamine Sofana estava no Brasil só para a Copa do Mundo. Ele mora em Dubai e seu escritório fica na Suíça.

"Outras sete pessoas já foram identificadas, mas falta descobrir o nome para que elas sejam presas", disse Baruke, que dará prosseguimento nas investigações.

Três estrangeiros presos no sábado

Policiais da 12ª DP (Copacabana) prenderam, no último sábado, os americanos Brian Jack Peters e Roy Richard Beard, e a italiana Rafaella Cinti pelos crimes de formação dequadrilha e cambismo. Segundo os agentes,uma equipe foi ao Hotel Merlin, em Copacabana, na Zona Sul, checar uma denúncia anônima e encontraram aproximadamente 200 ingressos para jogos da Copa do Mundo.

Estrangeiros foram presos pelos crimes de formação de quadrilha e cambismoDivulgação

As entradas, no valor de 175 dólares, estavam sendo negociadas pela internet e vendidas por 1.172 dólares. No local foram apreendidos 10 mil dólares americanos, 750 dólares australianos e 160 Euros. A prisão em flagrante foi convertida em preventiva.

Últimas de Rio De Janeiro