Caminhoneiros já podem trafegar pelos 71,2 quilômetros do Arco Metropolitano

A principal obra rodoviária do estado das últimas duas décadas finalmente foi concluída e entra hoje em operação

Por O Dia

RIo - A principal obra rodoviária do estado das últimas duas décadas finalmente foi concluída e entra nesta quarta-feira em operação. O Arco Metropolitano do Rio passa a facilitar a vida de milhares de caminhoneiros e motoristas que trafegam pelas rodovias da Região Metropolitana com a abertura ao público do trecho de 71,2 quilômetros, que liga o Porto de Itaguaí ao entroncamento da BR-040, em Duque de Caxias. A nova estrada deve retirar 35 mil veículos, sendo 10 mil caminhões de carga, da Avenida Brasil e das rodovias Dutra e Washington Luis, conforme estudo da Federação das Indústrias do Rio (Firjan).

Em clima de festa, com ritmistas da Beija-Flor e da Grande Rio, a solenidade de inauguração ocorreu ontem com a presença da presidenta Dilma Rousseff e do governador Luiz Fernando Pezão. “Uma nova fronteira está sendo aberta e que trará oportunidades sociais e econômicas para a Baixada Fluminense. Essa rodovia é estratégica, pois liga às empresas ao porto”, afirmou Dilma.

Para a conclusão total do projeto do Arco é necessária ainda a reforma e duplicação do trecho dos 25 quilômetros de pista simples, entre Magé e Manilha, onde se conectará com a BR-101 Norte. Esta parte está a cargo do governo federal e deve ser entregue até 2016. Entre Magé e a BR-040, o Arco segue pela rodovia Rio-Teresópolis, que tem pista dupla e é administrada por concessionária privada.

O trecho inaugurado nesta terça-feira, que tem acesso pela Dutra (BR-116) e Rio-Santos (BR-101 Sul), além da Rio-Minas (BR-040), terá a administração do Departamento de Estradas e Rodagem (DER) do estado em caráter provisório. É que ainda está sendo discutido, entre os governos federal e estadual, quem ficará responsável pela via, que é federal (BR 483), de forma permanente. Conforme o assessor da presidência do DER, Lineu Castilho, o DNIT (órgão federal) deverá dar o ‘aceite final das obras’ e, posteriormente, repassar ou não a administração ao estado.

Por enquanto, o DER deslocou 46 agentes para operar os 71,2 km da via. Haverá três reboques para caminhões e cinco para carros de passeio. A segurança será controlada por sete radares móveis. A velocidade máxima permitida é de 90 km/h para caminhões e de 100 km/h para automóveis.

Dilma autoriza crédito de R$ 3,4 bi à Cedae

Durante a solenidade de inauguração do Arco Metropolitano, ontem em Duque de Caxias, a presidenta Dilma Rousseff e o governador Luiz Fernando Pezão assinaram a autorização de empréstimo no valor de R$ 3,4 bilhões junto à Caixa Econômica Federal para a construção do sistema produtor de água tratada, o Guandu 2. Segundo o presidente da Cedae, Wagner Victer, o novo sistema atenderá à população da Baixada Fluminense nos próximos 25 anos.

O projeto prevê uma nova estação para tratar 12 mil litros por segundo, elevatória de água tratada, 800 quilômetros de adutoras e um reservatório com capacidade de 57 milhões de litros. O pagamento será feito em 20 anos.

Durante a solenidade de inauguração do Arco Metropolitano, ontem em Duque de Caxias, a presidenta Dilma Rousseff e o governador Luiz Fernando Pezão assinaram a autorização de empréstimo no valor de R$ 3,4 bilhões junto à Caixa Econômica Federal para a construção do sistema produtor de água tratada, o Guandu 2. Segundo o presidente da Cedae, Wagner Victer, o novo sistema atenderá à população da Baixada Fluminense nos próximos 25 anos.

O projeto prevê uma nova estação para tratar 12 mil litros por segundo, elevatória de água tratada, 800 quilômetros de adutoras e um reservatório com capacidade de 57 milhões de litros. O pagamento será feito em 20 anos.

Últimas de Rio De Janeiro