Morte de sargento da PM foi planejada por sua mulher e o amante, diz polícia

Motivação do crime seria os bens do policial. Outras duas pessoas foram presas por participação no crime

Por O Dia

Rio - A morte do sargento da Polícia Militar Marco Aurélio da Silva Nascimento, lotado no 40º BPM (Campo Grande), ocorrida em maio deste ano, foi planejada por sua companheira, Maria Helena Leal Goulart, de 20 anos, e o amante dela, Fabrício Almeida Teixeira, de 28 anos. Essa é a conclusão que chegou a investigação da 43ª DP (Guaratiba). Eles e mais dois acusados de envolvimento no crime foram presos nesta quarta-feira. O sargento Nascimento foi encontrado baleado na cabeça enquanto dormia em sua casa, na Rua Abílio Barreto, em Guaratiba.

Da esquerda para a direita: Adjan, o executor; a companheira Maria Helena; a sogra do PM e o amanteDivulgação

Os dois foram presos por policiais do 40º BPM e agentes da 43ª DP. Além deles, foram cumpridos mandados de prisão também contra a mãe de Maria Helena, Shirlei Leal do Nascimento, de 54 anos, e Adjan Andrade José dos Santos, acusados de participação no crime. De acordo com o delegado Roberto Cardoso, Adjan foi contratado para matar o sargento. Shirlei tinha um filho de cinco anos com o PM. A motivação do crime seria os bens do policial, entre eles a casa, um carro, um comércio e o seguro de vida dele.

Os quatro foram presos em Campo Grande e Pedra de Guaratiba. Eles vão responder pelo crime de homicídio.

Últimas de Rio De Janeiro