Olimpíadas: Paes promete Complexo de Deodoro para 2015

Obras no Centro Olímpico, as mais atrasadas para os Jogos, começaram ontem

Por O Dia

Rio - As obras do Complexo Esportivo de Deodoro, consideradas as mais atrasadas para as Olimpíadas de 2016, começaram nesta quinta-feira. Em cerimônia do início da construção e reforma das instalações já existentes, o prefeito Eduardo Paes disse que o custo do empreendimento será de R$ 800,8 milhões e os recursos virão do Ministério dos Esportes. O local será sede de 11 modalidades olímpicas e quatro paraolímpicas.

“O Complexo de Deodoro chegou a gerar desgaste para a ‘imagem’ dos Jogos, mas conseguimos alinhar o prazo de entrega e não haverá atrasos. Tenho certeza de que faremos a Olimpíada das Olimpíadas”, disse Paes. De acordo com ele, os serviços serão finalizados no primeiro semestre de 2015.

Embora o prefeito afirme que cerca de 60% da estrutura já esteja adiantada — serão utilizadas instalações feitas para os Jogos Panamericanos de 2007 —, as construções já existentes também necessitarão de obras de adequações para atender aos critérios do Comitê Olímpico Internacional. É o caso dos Centros de Tiro e de Hóquei, para os quais, somados, serão construídos cerca de 15 mil assentos provisórios. A piscina utilizada para a competição de Pentatlo Moderno necessitará de reforma e ganhará 2 mil lugares provisórios. Obras de infraestrutura, como a construção de vestiários também estão previstas.

O circuito de Mountain Bike, que hoje tem cerca de cinco quilômetros, precisará de mais 2,5 quilômetros para atingir os 7,5 exigidos. A pista junto à Arena de Rúgbi e do combinado de Pentatlo Moderno fazem parte do conjunto construído em caráter provisório. Em contrapartida, o complexo ganhará três obras permanentes: a pista de BMX, a Arena Deodoro e o circuito de Canoagem Slalom. Estes dois últimos geram apreensão quanto aos prazos. A arena por começar ‘do zero’, e o circuito de canoagem, pela necessidade de bombas sob medida e grande movimentação de terra.

Parque Radical será aberto aos cariocas após os Jogos de 2016

Após os Jogos Olímpicos, o circuito de Canoagem Slalom e a pista de BMX farão parte do Parque Radical, principal legado esportivo para a região. A área de 500 mil metros quadrados será o segundo maior parque da cidade (atrás somente do Aterro do Flamengo). Os centros esportivos, por sua vez, serão destinados a atletas de alto rendimento.

O acesso ao Complexo de Deodoro, que margeia a Avenida Brasil, poderá ser feito por transporte público. Além do BRT Transolímpica, que liga a região à Zona Oeste, o espectador poderá saltar nas estações de trem da Vila Militar e de Ricardo de Albuquerque.

O Complexo de Deodoro também ‘herdará’ 72 apartamentos após os Jogos. As unidades, que serão utilizadas futuramente por militares, serão destinadas no primeiro momento a tratadores de animais que participarão das provas de Hipismo. A reforma da clínica veterinária do local também está prevista.
As obras de terraplenagem do solo, necessárias para adequação às provas de Mountain Bike, por exemplo, estão planejadas para ser finalizadas mais próximas à Olimpíada, já que as chuvas de verão poderiam atrapalhar o andamento do serviço.

Últimas de Rio De Janeiro