Para jornalistas estrangeiros, Copa no Brasil merece louvor

Correspondentes elogiam organização do Mundial, com destaque negativo para transportes

Por nara.boechat

Rio - Enquanto a mídia estrangeira alardeava um possível fracasso da Copa do Mundo no Brasil, antes da competição, hoje, correspondentes internacionais que estão no Rio reconsideram as duras críticas e fazem as previsões caírem por terra. O cenário carioca com o estúdio a céu aberto, a recepção do povo, além da segurança nas ruas e a organização nos centros de mídia do Maracanã e do Forte de Copacabana são responsáveis pela boa avaliação, ainda que o trânsito e o transporte público desagradem a maioria dos entrevistados. A cidade chegou a ser citada como a melhor sede do país por um britânico.

“É uma Copa única”. Assim o americano e âncora da ESPN, Robert Ley — conhecido como Bob —, 59 anos, e que cobre o seu sétimo Mundial, definiu o evento. Para ele, os questionamentos levantados sobre o sucesso da competição foram respondidos: “Está tudo bem organizado e seguro. O melhor são as pessoas e poder trabalhar no Rio. Vou sentir falta”, declarou ele, que grava ao lado do Forte de Copacabana.

O apresentador Americano Robert Ley%3A ‘Está tudo bem organizado e seguro. O melhor são as pessoas e poder trabalhar no Rio. Vou sentir falta’ Estefan Radovicz / Agência O Dia

Porém, a falta de voos domésticos foi um aspecto negativo apontado por Robert e citado pela produtora de TV holandesa, Veerle Van Doorn, 30: “Não sofri isso, pois só fico no Rio. Mas é a maior queixa de colegas”.

Ela esteve na Copa na Alemanha, em 2006, e decreta: no Brasil, é melhor. “A organização é similar, com diferenças em transporte e características da sociedade. Mas, aqui, você vê o povo viver o futebol. E, na rua, todos são disponíveis e te ajudam mesmo sem falar outro idioma. Isso é fantástico”.

Para a jornalista holandesa Veerle, que aprovou o Centro de Mídia do Forte de Copacabana, a Copa no Brasil supera a da AlemanhaEstefan Radovicz / Agência O Dia

O envolvimento com o esporte também chamou a atenção da tunisiana Mabrouka Ghanmi, 35, e apresentadora do Dubai Sports TV, que se surpreendeu ainda com a segurança. “Me sinto segura. O que vejo não chega ao nível do que diziam, mesmo com problemas”, contou ela, que elogiou a organização dos centros de mídia e pretende esticar a estadia: “Estou apaixonada pelo Rio”.

Beleza natural é um destaque

Depois de passar pelas cidades-sedes Manaus, São Paulo e Belo Horizonte, o inglês e correspondente de Singapura, Neil Humphreys, 39, avaliou o Rio como a mais bem organizada. Porém, criticou o excesso de policiamento e o fechamento de diversas vias no entorno do Maracanã.

O repórter inglês Neil Humphreys elogia organização da Copa no Rio, mas faz algumas, como o policiamento que considerou "exagerado" e o bloqueio de ruas no entorno do MaracanãEstefan Radovicz / Agência O Dia

“Houve um excesso e o bloqueio das ruas dificulta a chegada de jornalistas”, opinou Neil. “A cobertura das partidas no Fifa Fan Fest tem sido melhor e mais divertida do que no estádio”, completou.

Já o apresentador do Canal 21 na Bolívia, Juan Birbuet, 49, criticou os congestionamentos e o transporte público: “O trânsito é caótico, faltam outros meios de transporte, como trem, mas grandes cidades estão suscetíveis a isso”.

Mas o serviço gratuito oferecido pela Riotur a jornalistas, de visitações a pontos turísticos, foi elogiado. “Isso é algo que eu não vi em nenhum grande evento, nem em Berlim. E instalar um posto no Centro de Mídia é uma ótima estratégia “, avaliou Juan, que também vota na Copa no Brasil como a melhor.

O jornalista esportivo da Indonésia, Sapto Haryo, 40, também ficou insatisfeito com o transporte, mas diz que a beleza da cidade, a simpatia do povo, e a organização nos estádios superam o problema.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia