O dia em que o Brasil chorou

Torcedores perplexos deixam a praia antes do fim do jogo. Houve briga e sete presos

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - A maior goleada já enfrentada pelo Brasil até hoje silenciou milhares de torcedores que tomaram as ruas do Rio, vestidos de verde e amarelo, para vibrar pela Seleção. Embaixo de frio e chuva, a torcida canarinho deu adeus ao sonho de se tornar hexacampeã ainda no primeiro tempo da partida. Cariocas e turistas ficaram perplexos com a derrota para a Alemanha por um inacreditável 7 a 1. No telão montado pelos organizadores da Fifa Fan Fest na areia da praia, em frente ao Copacabana Palace, para 20 mil pessoas, a festa acabou em correria quando o Brasil ainda perdia por 5 a 0.

Inconformados, brasileiros hostilizavam os alemães, arremessando latas de cerveja contra a torcida adversária. “Moro no Brasil, mas sou alemão. Pena esse comportamento”, lamentou Otto Harbort, 19 anos, estudante de Economia, que mora em São Paulo há nove meses.

Os torcedores se produziram com bandeiras e fantasias para assistir ao jogo na Fifa Fan Fest%2C mas ficaram desolados diante do telão com goleada histórica sobre a Seleção Daniel Soelza / Agência O Dia

Com a confusão, cadeiras alugadas por camelôs, a R$ 30, foram derrubadas. Mães corriam com os filhos que choravam por causa do tumulto. “Vou embora. A festa acabou”, disse uma senhora apressada, carregando duas crianças no colo. O policiamento foi reforçado em toda a orla. Durante a briga de torcedores, houve relatos de arrastão. A PM negou a informação. Em todo o bairro, sete pessoas foram detidas.

A vitória rubro-negra germânica acabou com a esperança verde-amarela. “Tudo foi ruim. A confusão e o placar vergonhoso. Na correria, uma amiga da Eslovênia desistiu de ver o jogo. Tristeza total”, criticou o empresário Felipe Marques, 26 anos.

Muitos foram embora antes do início do segundo tempo, como o balconista Felipe de Almeida, 23 anos, que fez um caixão para enterrar a Alemanha. “Sem palavras”, se limitou a dizer. Com problemas cardíacos, o torcedor Wilamy Saboia, 56 anos,foi amparado pela esposa Ivone. “É a Copa mais humilhante da minha vida. Nunca vi nada igual. Nem a derrota para o Uruguai em 1950 foi tão vexatória”, disse.

Desolada, de costas para o telão e rezando durante todo o segundo tempo, a moradora de Copa Maria Bicardi, 52, foi consolada por amigos. “Ainda não deu para acreditar. Parece pesadelo”, lamentou. O adolescente Cristiano Rangel, 13, chorou muito. “Não quero mais pensar em futebol. Ser goleado dentro de seu país é muito cruel. Os jogadores deveriam honrar a camisa. Faltou vontade e o povo brasileiro é o que mais sofre. Não ligam para nossas lágrimas?” Quem se importou foram os alemães. “Nunca veremos isso de novo. Foi algo surreal. Estou sofrendo, pois tenho muito carinho pelos brasileiros”, disse o alemão Steve Seven, 39, morador do Rio há dez anos.

Festa alemã no Leme foi regada a cerveja e dança

Nem os alemães acreditaram que a vitória seria tão fácil. No quiosque Tor, na Praia do Leme, mais de 300 torcedores da Alemanha fizeram festa regada a muita cerveja e gritos de guerra. Entre as músicas da torcida, teve até uma nova canção criada especialmente para o vexame brasileiro.

Alemães beijam réplica de taça e comemoram no Leme a vitóriaMaíra Coelho / Agência O Dia

No ritmo da música cubana ‘Guantanamera’, o novo grito tinha trechos com a frase: “Ah, que beleza, nunca vi algo parecido”. Entoando os versos e embalando uma réplica da taça do mundo, Chris Yghematter, de 28 anos, já considera seu país tetracampeão. “Já estamos sentindo o gosto da vitória na final”, afirmou.

O casal de namorados Anna Ketel e Alex Vetta, ambos de 19, ficou surpreso com a goleada. “Apostei em quatro gols da Alemanha, mas confesso que me assustei com os sete”, diz Alex, sincero.
Para o jogo de domingo, o Consulado Alemão, que organiza a comemoração no quiosque, planeja um evento para fechar a Praia do Leme. “Vai ser uma superfesta, pois esperamos a presença do presidente e da chanceler aqui”, adianta o vice-cônsul no Rio, Tarmo Dix.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia