Por felipe.martins

Rio - Nem mesmo a humilhação imposta pela Alemanha à Seleção Brasileira com a pior goleada — 7 a 1 — da história centenária do futebol canarinho conseguiu fazer com a que a maioria dos brasileiros torça pela Argentina na final de domingo.

“A Argentina ganhar uma Copa no Brasil não pode de jeito nenhum. Eu queria que a Holanda fosse para a final, mas agora é Alemanha de qualquer maneira”, confessou o oceanógrafo Guilherme Colaço, de 32 anos. A rivalidade entre os dois países sul-americanos fala mais alto até mesmo quando os torcedores procuram justificar a escolha pelos algozes do Brasil na semifinal.

“Acho uma injustiça muito grande da história a Itália ter quatro títulos e a Alemanha apenas três. Por isso, vou torcer por eles. Mesmo com eles usando aquela camisa feia, pois sou vascaíno, não tem como torcer pela Argentina”, avaliou o engenheiro Rafael Cão, 32.

Mesmo com as gozações dos amigos de bar%2C Wagner Rangel admitiu que no domingo vai torcer para que o campeão seja o time de MessiUanderson Fernandes / Agência O Dia

Até os brasileiros que têm alguma simpatia pelos ‘hermanos’ hesitam em vê-los erguer a taça no Maracanã no domingo. “Tudo bem eles ganharem o terceiro título, já que nós temos cinco e ninguém vai nos alcançar tão cedo, mas da próxima vez eles tentam. Este ano, não. Além disso, sou flamenguista. Então, mais lógico torcer pela Alemanha”, disse o analista Raphael Bobb, de 28 anos.

Simpático ao time de Lionel Messi, Wagner Rangel, 41, era o único em um grupo de cinco amigos que admitiu que torcerá pela Argentina. Por isso, sofria gozações dos colegas. “Acho que vou ter que pagar cerveja para ser perdoado”, brincou.

Estrangeiros que estão na cidade entram na torcida dos ‘hermanos’

Se entre os brasileiros a Alemanha deve levar a maior fatia da torcida na final da Copa, os gringos que lotam os bares da Lapa e de Copacabana tendem a torcer pela Argentina. “Somos do Egito e não vamos torcer nunca por uma potência europeia. Gostaríamos que fosse o Brasil na final, mas, se não deu, vamos ficar com a Argentina”, explicou Rania Bedeir, de 37 anos, ostentando um chapéu com as cores da Holanda e acompanhada das compatriotas Fátima Galli, 34, e Noha Ghoname, 32.

“A Copa é um sucesso. Estamos muito felizes de termos escolhido passar este mês no Brasil. O Rio, então, é deslumbrante”, elogiou Fatima.

O holandês Paul Korck, 40, mesmo frustrado com a perda da vaga na final, disse que a preferência na final será pelos ‘hermanos’. “Não vamos torcer pelo poderoso vizinho. Nessas horas, a rivalidade local fala mais alto. Melhor que a Argentina fique com a Copa do que ela ir para a Alemanha”.

Opinião parecida tem o português João Pereira, um comerciante de 48 anos, radicado no Brasil, mas que está recebendo parentes da terra natal durante a Copa, como a sobrinha Maria Eduarda, de 23.

“Eu vou torcer pela Argentina, e os meus visitantes, que vieram de Portugal, também, mas tenho certeza que os brasileiros ficam com a Alemanha, mesmo após a goleada. Se ocorresse situação semelhante lá em Portugal e tivesse que escolher entre qualquer seleção contra a Espanha, torceria por qualquer outra. Não tem como fazer diferente”, opinou João Pereira.

Você pode gostar