Secretaria de Segurança compra contêineres para redução da criminalidade

Módulos serão implantados para policiamento em áreas onde há menos ação efetiva de policiais, com o objetivo de reduzir os indíces de criminalidades

Por O Dia

Rio -  A Secretaria Estadual de Segurança Pública fez uma licitação para adquirir contêineres com objetivo de ajudar a reduzir os índices de criminalidade. Os módulos habitacionais são de diversos tamanhos vão servir de base de policiamento, sendo que alguns podem abrigar até um auditório, como o revela o edital de concorrência publicado no Diário Oficial. A cotação de preço foi feita para 592 bases, mas o governo explicou que pode não usar todo o quantitativo orçado. O estado só vai pagar a unidade que usar.

Contêineres são usados em bases de UPPs em várias comunidades, como no TuranoUanderson Fernandes / Agência O Dia

“A quantidade de unidades modulares que está na Ata de Registro de Preço (e também no edital) é o previsto para se adquirir durante o período de 12 meses. A Seseg pode adquirir o número total ou menos, de acordo com a demanda”, explicou a secretaria, em nota.

O órgão não quis detalhar se o projeto é uma extensão das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Em algumas comunidades retomadas do tráfico, o policiamento funciona em contêineres, o que é constante motivo de reclamação do efetivo, principalmente porque as bases não são blindadas.

A empresa vencedora da licitação para fornecer as estruturas é a Multiteiner Comércio e Locação de Contêineres Ltda. Se a secretaria resolver comprar as 592 bases, o valor custará aos cofres públicos R$ 33,757 milhões. Os módulos têm ar condicionado, estruturas contra incêndio, hidrossanitárias, hidráulicas e redes de dados e telecomunicações. Deles, 32 seriam para alojamentos e 52, para auditórios.

No edital para escolher a empresa, a justificativa para os contêineres é “a necessidade premente de implantação e policiamento em áreas territoriais menos assistidas pela ação presencial das tropas policiais”. Em outro trecho do documento, é informado que a implantação de uma base física em alguns locais vai auxiliar “em ações preventivo-repressivas da polícia, com vistas à redução dos índices de criminalidades”.

Torre da Perimetral vai para a Fazenda Botafogo

A torre blindada da Polícia Militar que ficava na Perimetral já tem novo lugar para ser reposicionada. Com a demolição da via, a estrutura de cinco metros de altura, que é de aço e resistente a tiro de fuzil, estava guardada. Agora, o estado decidiu que ela vai ficar na Rua Arnaldo Guinle, sem número, em frente ao Ciep Zumbi dos Palmares, na Fazenda Botafogo.

A Secretaria de Segurança Pública vai fazer uma licitação para contratar uma empresa para fazer o transporte e a montagem da torre, que estava num depósito na Avenida Washington Luiz, em Duque da Caxias. Inauguradas em 2009, as torres blindadas custaram cerca de R$ 250 mil cada. Algumas delas, no entanto, acabaram abandonadas por falta de manutenção.

Últimas de Rio De Janeiro