Por tamara.coimbra

Rio - Moradores, amigos e familiares da empresária Maria Cristina Bittencourt Mascarenhas, a Tintim, de 66 anos, realizaram uma nova homenagem, neste domingo, em frente ao restaurante Guimas. Uma das sócias do bistrô, ela foi assassinada durante assalto na Praça Santos Dumont, na Gávea, Zona Sul do Rio, na última quarta-feira.

O grupo se concentrou em frente ao restaurante e foi caminhando até o local do crime, onde acenderam velas, fizeram orações e deixaram flores. Todos estavam de branco e muito emocionados.

FOTOS: Parentes e amigos fazem homenagem à empresária morta na Gávea

Amigos e parentes fizeram ato na Gávea após morte de empresáriaFernando Souza / Agência O Dia

A irmã da empresária, Maria Vitória Bittencourt, participou do ato e pediu mais segurança. "Minha irmã foi assassinada tragicamente por injustiça. Agora estamos todos muito revoltados porque isso acontece não só na Zona Sul, mas na Zona Norte, Oeste, em todos os lugares desse Rio. Aproveito que somos daqui para falar que o Rio precisa de segurança, saúde e educação. Principalmente segurança para poder viver", desabafou.

Com medo, moradores destacaram a falta de segurança no bairro. Eles disseram ainda que Maria Cristina era uma figura muito querida na Gávea. O bistrô reabriu as portas e voltou a funcionar neste sábado.

Quadrilhas especializadas em saidinhas de banco que atuam nas áreas das delegacias da Rocinha, Gávea e Leblon, na Zona Sul, são os principais alvos da investigação da Divisão de Homicídios (DH) sobre a morte de Maria Cristina. Agentes da DH ouviram o depoimento de seis testemunhas, e imagens de câmeras de segurança são analisadas. A polícia sabe que o autor do disparo é moreno claro, alto e usa barba ou bigode.

Ato reuniu multidão na Zona SulFernando Souza / Agência O Dia

Ele fugiu com R$ 13 mil, que serviriam para o pagamento de funcionários do Restaurante Guimas, do qual Tintim era sócia. Ela havia sacado esse valor pouco antes, por volta das 12h30, numa agência do Bradesco próxima.

“O trabalho de inteligência com informações da 11ª DP (Rocinha), 14ª DP (Leblon) e 15ª (Gávea), com o mapeamento dos criminosos já investigados por saidinha de banco, é muito importante”, afirmou o delegado Geniton Lages.

Na última sexta-feira, o governador Luiz Fernando Pezão afirmou que pediu ao secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, e ao chefe de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso, que todo o aparato policial seja usado para prender os criminosos.

Outra estratégia da Polícia Civil é o mapeamento de imagens captadas por câmeras de ruas que dão acesso e que foram usadas como rota de fuga no bairro da Gávea. Na última sexta, dois agentes da DH estiveram no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova, que recebe imagens de câmeras de batalhões, da Prefeitura do Rio e do Detran.

Você pode gostar