SP pode provocar colapso no abastecimento de água do Rio

Escassez atingirá 26 cidades, se for mantida redução da vazão de afluente do Paraíba do Sul

Por O Dia

Rio - Mais de doze milhões de moradores de 26 municípios fluminenses poderão ficar sem água no final de outubro. O risco de colapso no abastecimento de água em cidades do Rio e São Paulo é um alerta do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), caso o governo paulista continue represando volumes do Rio Jaguari,um dos afluentes do Rio Paraíba do Sul, acima do permitido pelo governo federal.

Segundo informação obtida pelo DIA, no dia 28 de outubro, as cidades do Norte e Sul Fluminense, incluindo Região Metropolitana e Baixada, sofreriam o problema caso a estiagem no Sudeste continue. Para evitar a crise no abastecimento, São Paulo deve triplicar o volume de vazão do Jaguari para o Paraíba do Sul dos atuais 10 metros cúbicos (m³/s) por segundo para 30 m³/s. O nível antes da crise era de 40 m³/s.

“A questão central não é o risco de faltar energia elétrica no Rio, mas a possibilidade bastante grande de desabastecimento de água nas cidades do Rio e São Paulo”, ressalta o diretor-presidente da Agência Nacional das Águas (ANA), Andreu Guillo.

O Rio Paraíba do Sul está com o nível mais baixo%2C por causa de uma manobra da Cesp%2C a empresa de energia de SP%2C que está represando águaHelen Souza / Folha da Manhã / Agência O Dia

Um ofício do Instituto Nacional do Ambiente (Inea) à ANA e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) confirma a apreensão das autoridades. No documento, declara uma “profunda preocupação” com a segurança hídrica dos 17 municípios fluminenses que dependem exclusivamente do Paraíba do Sul. A justificativa do governador Geraldo Alckmin é que a vazão precisa ser mantida para abastecer o município de Santa Isabel, que correria o risco de ficar sem água. Técnicos da ANA, porém, não constataram nenhum problema nos reservatórios da cidade, de 50 mil habitantes.

A agência deu cinco dias para que a Companhia Energética de São Paulo (Cesp) apresente laudos técnicos que comprovem a necessidade de baixar a vazão. Por não ter cumprido ordem da ONS, a empresa e o Departamento de Água, Esgoto e Energia de São Paulo terão 15 dias para se justificar. Após o prazo, a Cesp pode ser multada em até 2% da sua receita anual. Para Hélio Vanderlei, ex-diretor do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Guandu, a medida foi uma estratégia do governo paulista. “São Paulo diminuiu a vazão para fazer volume no reservatório e socorrer o sistema Cantareira”, analisa.

De cada 10l captados, 4l se perdem

O drama da falta d’água enfrentado hoje pelos paulistanos será o de amanhã para os fluminenses se, até março, nada for feito para recuperar o volume dos reservatórios do Sistema Cantareira que abastece São Paulo. “Se nos próximos sete meses, o abastecimento não for normalizado pelas chuvas, a crise será no Rio”, alerta Hélio Vanderlei, gerente de Políticas Públicas da Ong Onda Verde.

Segundo ele, tanto Rio quanto São Paulo não montaram plano B para não depender exclusivamente do Guandu e do Cantareira. “São Paulo deveria ter racionado o consumo de água há um ano. O Rio também terá que fazer”, advertiu o ambientalista, lembrando que, de cada 10 litros captados no Rio, quatro ficam pelo caminho. As populações mais afetadas serão as do Sul e do Norte Fluminense. “É como uma mangueira com 100 litros d’água. Quando diminui o volume, alguém na ponta vai ficar sem”.

Últimas de Rio De Janeiro