Por daniela.lima

Rio - Há um mês, a coleta de lixo em São João de Meriti, Baixada Fluminense, foi prejudicada devido ao atraso no pagamento, por parte da prefeitura, à empresa terceirizada Dinâmica, responsável pelo recolhimento dos resíduos. A coleta ficou irregular, e houve semanas em que o lixeiro não passou. O resultado foram montanhas de lixo acumuladas em vários pontos do município.

Haroldo César Silva apresenta seu cordel em homenagem ao primeiro ano do Programa Lixo ZeroCacau Fernandes / Agência O Dia


O bairro de São Mateus foi um dos mais afetados. De acordo com o estudante Arthur de Paiva, de 15 anos, na última semana, o caminhão do lixo não passou e a irregularidade da coleta já dura mais de um mês. “O lixo se acumula, fica um cheiro ruim e atrai bichos. É uma sujeira só!”, reclamou.

O empresário Davi Fernandes, 22, mora em Vilar dos Teles, bairro menos afetado pelo problema, e presenciou o descaso em São Mateus. “Na última semana, o acúmulo estava grande nos lugares de sempre”, comentou Fernandes, que destacou a passagem da linha férrea, próximo ao hospital Centro Médico São Mateus (SASE) como um dos pontos mais críticos.

A prefeitura de São João de Meriti alega que há atraso, por parte do governo federal, no repasse de recursos dos royalties do petróleo. E isso ocasionaria demora no ajuste de contas do município, inclusive à empresa de coleta de lixo. Isso fez com que a terceirizada atrasasse os salários de seus funcionários e alguns resolveram paralisar parcialmente os serviços. Mas, de acordo com nota da prefeitura, a empresa já está regularizando o serviço, com rotas especiais em coletas diárias.

O Ministério da Fazenda informou por nota que a Secretaria do Tesouro Nacional, responsável pelo repasse, que “não há atrasos nas transferências de recursos dos royalties pelo Tesouro Nacional”. E acrescentou que “os recursos estão sendo depositados no último dia de cada mês com crédito nas contas dos municípios nos primeiros dias do mês seguinte”.

A Secretaria detalhou, inclusive, os valores de royalties depositados em 1º de agosto na conta do município. Foram R$ 64.880,21 do Fundo Especial do Petróleo e mais R$ 928.201,96 dos royalties da Agência Nacional do Petróleo (ANP). A prefeitura não apresentou provas do atraso nos repasses.

Cordel para comemorar Lixo Zero

Haroldo César Silva, de 52 anos, 30 deles na Comlurb, aproveitou o primeiro ano como fiscal do Programa Lixo Zero para lançar um cordel em homenageam à ação. “Achei que o primeiro ano tinha que ficar registrado.”

Essa foi a primeira vez que ele, que já escreveu três livros, se aventurou pelo mundo das rimas. “O jeito que se escreve é diferente, mas vi uma palestra com um cordelista e fiquei muito interessado, pensando: deve ser legal fazer isso, vou tentar a sorte.”

Haroldo acredita que o trabalho de escrever o cordel foi muito construtivo para sua memória. “A estrutura é bem complicada! Me senti honrado e capaz por ter conseguido fazer.” Agora ele está à procura de patrocínio para distribuir sua revista pela cidade. “Por enquanto só pude fazer uma tiragem pequena.”

RIO LIMPO

Um ano com resultados

Enquanto São João de Meriti amarga a coleta deficiente de resíduos, o Programa Lixo Zero acaba de completar um ano. O programa, que já aplicou 57.281 multas, segundo a Comlurb, dessas, apenas 17 mil foram pagas, gerando arrecadação de R $ 2.697.972 para os cofres públicos; 1.219 das infrações estão em recurso; outras 38.774 não foram pagas; e 21 mil infratores tiveram seus nomes incluídos no Serasa.

O Lixo Zero já atua em 97 bairros, sendo que em 23, permanentemente, e os demais são atendidos com blitzes frequentes.

Ao todo são 204 equipes compostas por fiscais da Comlurb e guardas municipais, que são responsáveis pela fiscalização.

No primeiro semestre de 2013, a cidade contava com 30 mil papeleiras instaladas. Atualmente são 60 mil (14 mil colocadas no final de 2013 e 16 mil, este ano). Além disso, existem mais 1.800 contêineres na faixa de areia das praias e 1.500 nos quiosques.

A Comlurb irá ampliar o foco do programa intensificando a fiscalização ao lixo de grande impacto: entulho de obras, grandes geradores e o lixo domiciliar fora de horário da coleta. As equipes trabalharão concentradas em um bairro de cada vez.

Colaborou: Tássia Carvalho

Você pode gostar