Ministério da Saúde treina ação para eventual caso de ebola no Rio

Todos os profissionais envolvidos na simulação estão sendo treinados há três semanas

Por O Dia

Rio - A simulação da chegada de um paciente infectado com o vírus do Ebola no Rio foi realizada ontem de manhã no Aeroporto Internacional Tom Jobim e no campus da Fundação Oswaldo Cruz. Na ação, que começou às 9h, o comandante de um avião recém-chegado ao Rio comunicou o caso suspeito às autoridades sanitárias do Galeão. O passageiro foi então transferido para uma área isolada do aeroporto, após ser retirado do avião por uma equipe do Samu. Depois disso, foi levado até o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no campus da Fiocruz, para onde serão conduzidos todos os casos suspeitos no Rio.

“Muito embora o risco de transmissão do Ebola no Brasil seja muito pequeno, nós queremos estar bem preparados para uma eventualidade”, informou o ministro da Saúde Arthur Chioro, numa coletiva de imprensa, em Brasília, enquanto a simulação era feita no Rio de Janeiro.

Na simulação%2C a pessoa com suspeita de ter a doença é levada por uma ambulância do Samu do Galeão até a Fundação Oswaldo CruzSeverino Silva / Agência O Dia

Uma vez na Fiocruz, o passageiro com suspeita de ter contraído o vírus terá o sangue coletado. A análise para confirmação da doença será feita em um laboratório da própria instituição. Os tripulantes e demais passageiros serão entrevistados, para que se apure se eles tiveram contato com o viajante supostamente infectado.

“Precisamos colocar nossas equipes em situações mais parecidas com situações de emergência para ganhar qualidade e eficiência na resposta. Queremos estar absolutamente bem preparados”, afirmou o ministro da Saúde.

Todos os profissionais envolvidos na simulação estão sendo treinados há três semanas. Recrutas da Aeronáutica serviram de atores na ação simulada. A simulação de ontem contou também com a participação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Corpo de Bombeiros, da TAM Linhas Aéreas e da Concessionária Rio Galeão.

Segundo avaliação do Ministério da Saúde, na ação tudo aconteceu conforme previsto. A previsão é de que haja simulação também em São Paulo e em Brasília. O ministério informou ainda que todas as “notícias” divulgadas até agora sobre supostos casos de pessoas infectadas por ebola no país não passam de boatos.

Reportagem de Marcio Allemand

Últimas de Rio De Janeiro