Por felipe.martins

Rio - A Polícia Civil realiza, desde a noite de quarta-feira, a "Operação Capturas", com a participação das delegacias distritais e especializadas. A ação tem como objetivo cumprir mandados de prisão no estado. Até o momento, 196 pessoas foram presas em todo o estado do Rio. O chefe da Polícia Civil, delegado Fernando Veloso, concedeu entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, na Cidade da Polícia, na Zona Norte do Rio, onde parte dos presos foram apresentados. A Polícia Civil havia divulgado inicialmente o número de 200 presos, mas depois corrigiu a informação.

Segundo Veloso, 40% das pessoas foram presas por roubo e furto, 20% por tráfico de drogas, 10% por homicídios e 30% por crimes variados, como estelionato e por não pagamento de pensão alimentícia. Do total, 52 pessoas foram presas no Rio, cinco delas mulheres.

São mais de 300 mandados de prisão para serem cumpridos. Parte dos presos tem mais de um mandado expedido por crimes diferentes. A Polícia Civil espera terminar a operação até o final da tarde desta sexta-feira.

"Nós fazemos prisões todos os dias, mas a nossa estratégia foi impactar a percepção do criminoso sobre a ação da polícia. Com essa ação, muitos criminosos viram a polícia chegando próximo a eles e prendendo comparsas", disse o chefe da Polícia Civil.

Ainda segundo ele, o sistema penitenciário foi alertado e as transferências serão feitas a medida que as vagas esitverem sendo abertas nos presídios. A polícia ainda não divulgou a identidade dos presos.

Quadrilha que comandava disque-droga foi desarticulada

Em uma das ações, policiais da 27ª DP (Vicente de Carvalho), após três meses de investigação, desarticularam nesta quinta-feira uma das maiores quadrilhas de traficantes de drogas da Zona Norte. A operação aconteceu em diversos pontos da cidade e seis pessoas acabaram presas. Elas eram responsáveis por uma espécie de 'disque-drogas', que entregada os entorpecentes nas casas da região da Barra da Tijuca e do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste.

De acordo com o delegado titular da 27ª DP, Felipe Curi, a quadrilha comercializava cerca de 1000 pinos de cocaína por semana, com lucro mensal de cerca de R$ 800 mil. Os criminosos tinham conexão com traficantes do Complexo do Alemão, dos Morros do Juramento e Juramentinho e da Favela da Galinha, todos na Zona Norte, onde as drogas eram adquiridas.

O bando era liderado por Carlos da Silva Fumaux, o Calico. E segundo as investigações, Amanda Durães de Oliveira (namorada de Calico), Clemilson de Góes Paz, o Gordão, e José Armando da Silva são os responsáveis diretamente pelas entregas aos usuários. Todos irão responder pelos crimes de tráfico e associação para o tráfico de drogas.

Além da prisão de seis pessoas, a operação da Polícia Civil resultou no cumprimento de 14 mandados de busca e apreensão. Mais seis suspeitos foram encaminhados, ouvidos, qualificados e liberados.

Você pode gostar