Presidente de sindicato tem dólares em Dubai, carros de luxo e haras

Ela teria ido para aquele país fazer tratamento contra um câncer

Por O Dia

Rio - Na sede do Sindicato dos Empregados do Comércio de Niterói, São Gonçalo e adjacências, alvo de operação da polícia para desarticular quadrilha envolvida em esquema de desvio de taxa de assistência da entidade, foram encontrados um comprovante de remessa de US$ 200 mil para Dubai, nos Emirados Árabes, e documentos de um Porsche no nome de Rita de Cácia da Silva Rodrigues de Almeirda, presidente da entidade e acusada ainda de envolvimento em outros 11 casos de estelionato. Ela chegou a ser presa em 2013, mas foi solta por um habeas corpus.

Rita é apontada como  a chefe da fraude milionária, que movimentava entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão por mês e funcionava desde 2010. Além dela, seu filho Chriszanto Rodrigues Gonzales, a secretária Nayla Cecília Peruzzo e o marido de Nayla, Marcos Pereira, são suspeitos de apropriação indébita, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e formação de quadrilha.

Rita%3A investigada desde 2013Divulgação

Eladio Gonzalez Vasquez, ex-companheiro de Rita, foi encontrado na mansão comprada pela acusada em Pendotiba, Niterói. De acordo com ele, Rita viajou para Dubai para fazer um tratamento médico. “Antes de viajar para Dubai, ela teria passado pelo Hospital Albert Einstein, em São Paulo, por causa de um câncer. Segundo Eladio, Rita está usando cadeira de rodas”, afirmou a delegada.

Há informações de que a acusada mantém um romance em Dubai com um paquistanês. “Entre os bens comprados com dinheiro ilegal há fazendas, casas, apartamentos, haras e veículos importados como BMW X6 Xdrive 351, entre outros”, detalhou Tatiana. Ainda não há mandado de prisão contra os indiciados, mas isso deve ocorrer em breve. Nenhum representante do sindicato foi encontrado para falar do caso.

Agentes da Delegacia Fazendária cumpriram dez mandados de busca e apreensão na Operação Sindicato do Crime. Os agentes da Polícia Civil fizeram buscas nas sedes da entidade em Niterói, em Barra do Piraí e em Cabo Frio.

Imóveis e veículos

“Ela desviava boa parte desse dinheiro, usando-o em proveito próprio e não garantindo o direito dos sindicalizados”, disse a delegada da Delfaz, Tatiana Queiroz. “Atualmente, ela movimenta dinheiro vivo na compra de imóveis e veículos, além dos cheques de comerciantes”, acrescentou.

Agentes da Polícia Civil tiveram que arrombar a sede do Sindicato de Empregados do Comércio%2C que é presidido por Rita de Cácia da Silva Rodrigues de Almeida desde 2004Osvaldo Praddo / Agência O Dia

Segundo a polícia, a investigação começou em 2013, logo após a notificação de um sequestro e cárcere privado seguido de homicídio. O crime foi cometido na fazenda da suspeita, em Barra do Piraí. Os agentes constataram ainda a existência de carros e propriedades de luxo em nome de Rita.

“Houve um furto em uma propriedade dela e os dois autores do crime foram capturados e mortos em outra propriedade dela. Quando os policiais checaram, viram que existia um mandado de prisão contra a acusada por estelionato. Além disso, ela é investigada pelas mortes, já que os corpos foram encontradas no seu sítio”, esclareceu Tatiana Queiroz.

Últimas de Rio De Janeiro