Assessor de deputado escapa de atentado na Baixada: 'Foram momentos de terror'

Antônio Carlos da Costa assessora deputado estadual Ricardo Abrão, filho do ex-prefeito de Nilópolis, Farid Abrão David

Por O Dia

Rio - "Foram momentos de terror. Pensei que os criminosos entrariam na minha casa para me executar. Foram muitos tiros. Escapei por sorte", o desabafo é de Antônio Carlos da Costa, de 46 anos, assessor do deputado estadual Ricardo Abrão, filho do ex-prefeito de Nilópolis, Farid Abrão David, ao comentar o atentado sofrido dentro de casa, na noite de segunda-feira, quando homens armados num carro preto da marca Jac Motors, atiraram contra o portão de sua residência, no Centro de Nilópolis, atingindo ainda o carro da vítima estacionado na garagem, os vidros da janela e o guarda-roupa. Foram 12 perfurações no portão. Projéteis de pistola calibre 45 foram encontrados no local. Antônio não foi atingido.

Disparos atingiram portão%2C carro e janela da casa de assessor parlamentar do deputado Ricardo AbrãoOsvaldo Praddo / Agência O Dia

O caso foi registrado como disparo de arma de fogo, na 57ª DP (Nilópolis). Dois suspeitos não encapuzados foram flagrados na esquina da rua do assessor parlamentar por câmeras de um prédio vizinho entrando no carro usado por criminosos que efetuaram os disparos. A polícia vai analisar as imagens.

Antônio Carlos ficou com arranhões na barriga e costela após pular muro e fugir pelo telhado do vizinhoOsvaldo Praddo / Agência O Dia

Assustado após escapar dos tiros, Antônio, que mora sozinho, contou que tinha acabado de chegar em casa com um amigo, por volta das 20h40, depois de participar da inauguração do diretório do candidato a deputado estadual Farid Abrão, em Nilópolis, quando às 22h15, ao acabar de jantar e pegar as chaves de casa no seu quarto e acender a luz do cômodo, ouviu o barulho de um carro estacionando em frente ao portão e logo foram feitos os disparos. Ele se jogou no chão e se arrastou com o amigo até os fundos da casa, quando subiu numa escada que dá acesso ao terraço e pulou o muro do vizinho.

"Deram uma sequência de tiros e ao chegar na escada, atiraram mais contra o portão. Ao pular o muro, quebrei as telhas do vizinho e fiquei com arranhões na barriga e costela", lembrou Antônio, acreditando que o crime tenha motivações políticas.

Ele já foi secretário de Cultura por oito anos na gestão de Farid Abrão, ocupando o mesmo cargo novamente com o atual prefeito Alessandro Calazans, que assumiu a prefeitura em 2013. Há dois meses ele pediu para que fosse exonerado da função e voltou a trabalhar com Farid.

"Isso gerou insatisfação e passei a ser ameaçado na rua em passeatas políticas e a receber ameaças pelo telefone há um mês. Dizem que vão encher minha cara de tiro se não parar de criticar o governo em Nilópolis. Não descarto envolvimento de ninguém", garante Antônio, que faz parte da diretoria da escola de samba Beija-Flor de Nilópolis.

"Foi crime político. Não tenho dúvidas", enfatizou o ex-prefeito de Nilópolis Farid Abrão.

Esta é a segunda violência sofrida dentro de casa pelo assessor parlamentar. Em julho de 2013, dois homens armados invadiram a residência e fizeram reféns por 50 minutos, ele e mais nove pessoas, entre elas duas crianças.

"Invadiram a casa, quebraram meus dentes, colocaram arma na minha boca e roubaram até minhas cuecas. Tinha acabado de chegar de uma viagem da Ucrânia e pediam dólar e euro. A reunião em família quase terminou em tragédia", lamentou Antônio, que após o ataque de segunda-feira, avisou que vai deixar o imóvel. "Como vou morar aqui? Virei refém da violência", disse abalado.

Caso foi registrado como disparo de arma de fogo na 57ª DP (Nilópolis). Suspeitos foram flagrados por câmeras de prédio vizinho e polícia vai analisar imagensOsvaldo Praddo / Agência O Dia


Últimas de Rio De Janeiro