Traficantes que atuavam na Cidade Nova chegaram a ameaçar PMs

Criminosos expulsaram moradores de suas casas para ampliar a área dos pontos de venda de entorpecentes

Por O Dia

Rio - O casario antigo de algumas ruas nos arredores do Sambódromo, na Cidade Nova, escondia uma quadrilha de traficantes de drogas que foi desmontada nesta sexta-feira. Dez pessoas acusadas de integrar o bando foram presas durante a Operação Apoteose, da Polícia Civil. A ação envolveu 16 delegacias da capital e resultou em grande apreensão de drogas e mercadorias roubadas.

Entre os presos está Alex Moura de Matos, conhecido como Chulé. Segundo a polícia, ele é o chefe do tráfico na região. De acordo com as investigações, os criminosos chegaram a expulsar moradores de suas casas para ampliar a área dos pontos de venda de entorpecentes. "Eles são tão ousados que chegaram a ameaçar policiais do Centro Integrado de Comando e Controle. PMs que chegavam para o trabalho foram ameaçados e os criminosos apontaram armas para eles”, afirmou o delegado Antenor Lopes, titular da 6ª DP (Cidade Nova). “Então, com certeza, com a operação de hoje, essa quadrilha sofreu um grande baque".

Operação 'Apoteose' prendeu traficantes que agiam na Cidade NovaFabio Gonçalves / Agência O Dia

Lopes explicou que muitos dos traficantes migraram do Morro de São Carlos e de outras comunidades com Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) para estabelecer o comércio ilegal nos arredores do Sambódromo. "Aquela área está em plena ascensão econômica e os traficantes perceberam que era uma região interessante para seus negócios. Nós vamos renovar as operações sempre, dando um choque de ordem naquela localidade, para que não saia do controle. A situação estava indo para uma gravidade extrema", apontou.

As investigações duraram mais de três meses. Os policiais descobriram que o local funcionava ainda como ponto de receptação de objetos roubados no Centro. Foram estourados 15 pontos estratégicos e apreendidos 7.030 papelotes de cocaína, 439 papelotes de crack, seis tabletes de maconha, uma motocicleta, além de duas granadas, carregadores, armas, munição, tablets, iPhones e BlackBerrys. Também foram apreendidos televisores e videogames.

Presidente Vargas é área de roubos

A equipe do DIA flagrou a captura de dois suspeitos menores de idade a menos de 100 metros da 6ª DP. De acordo com os policiais, a perseguição a eles começou na Presidente Vargas. A dupla foi encaminhada para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

"Com certeza, só com as apreensões de uma manhã de operação, houve mais de R$ 100 mil de prejuízo na quadrilha. A soma dos valores das drogas e das mercadorias certamente alcança esse valor", disse o delegado. Paralelamente à ação da Polícia Civil, os policiais do 5º BPM (Centro) realizaram nesta sexta a Operação Presença. O objetivo dos PMs era combater furtos e roubos na Avenida Presidente Vargas e adjacências. Segundo os policiais, é ali que acontece a maior parte dos roubos da quadrilha que atua no Centro.

Últimas de Rio De Janeiro