Por paulo.gomes

Rio - A investigação de oito meses que culminou na operação realizada nesta segunda-feira na Rocinha, na Zona Sul, revelou a nova forma de atuação dos traficantes na comunidade. De acordo com o delegado titular da 11ªDP (Rocinha), Gabriel Ferrando, os criminosos estão recrutando pessoas que não tenham passagem pela polícia para a venda das drogas. O objetivo da ação era cumprir 51 mandados de prisão, entre elas de Rogério Avelino da Silva, conhecido como Rogério 157, considerado o chefe da quadrilha. Seis pessoas foram presas e 14 já cumpriam pena.

Policiais civis realizaram na manhã desta segunda-feira uma operação na Rocinha. Objetivo era cumprir mais de 50 mandados de prisãoSeverino Silva / Agência O Dia

"A investigação foi para tentar entender a nova forma de atuação do trafico. Eles estavam usando pessoas com anotações criminais, mas sem mandados e ou pessoas que não tinham passagem pela polícia. Os traficantes estavam indo para a rua e a Cruzada São Sebastião, no Leblon. Essa é uma nova forma de atuação do tráfico".

O delegado revelou que os traficantes da Rocinha estão vendendo os entorpecentes "no varejo" e que eles estão recebendo as drogas de outras comunidades não pacificadas do Rio.

"A Rocinha passou a ser um lugar de varejo, eles estavam recebendo a droga ao invés de receber. A Rocinha está sendo abastecida de forma gradual, principalmente por comunidades que não estão pacificadas, como a Pedreira, em Costa Barros. Tanto que o local de embalação de drogas é móvel, para não deixar nenhum vestígio".

Por conta da operação, duas unidades da rede municipal de ensino, ficaram sem atendimento. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, 1.044 alunos estão sem aulas. Já as escolas da rede estadual, segundo informações da Secretaria de Estado de Educação, estão funcionando normalmente.

Cerca de 120 com policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e de outras especializadas da ação. Houve confronto entre bandidos e policiais na localidade conhecida como Rua 2 e um helicóptero blindado da polícia acabou sendo atingido na hélice e já passa por manutenção.

Você pode gostar