Por nicolas.satriano

Rio - O ator e diretor Hugo Carvana morreu aos 77 anos neste sábado, no Rio de Janeiro. O artista estaria com um câncer no pulmão e teria apresentado insuficiência respiratória nesta manhã e não resistiu. Carvana estava internado no Hospital Pró-cardíaco, em Botafogo, desde o último domingo.

GALERIA: Confira momentos da carreira do ator e diretor

"Fico muito triste porque o Carvana não era só diretor e ator, era autor também, assim como José Wilker. Fez muitos dos nossos filmes na época do cinema novo", disse o cineasta Cacá Diegues em entrevista à GloboNews.

Ator e diretor estava internado desde o último domingo no Hospital Pró-CardíacoJoão Laet / Agência O Dia

Na abertura do site oficial de Carvana, também está em destaque outra homenagem de Diegues ao ator : "Se o cinema brasileiro tem um rosto, ele deve ser certamente muito parecido com o de Hugo Carvana. Carvana é um desses atores que marca um filme, um estilo, uma época de cinema.", assinou o cineasta.

O último papel de Carvana na TV foi na minissérie "O Brado Retumbante", da TV Globo, em 2012, depois de sua participação como Olegário na novela "Insensato Coração".

No último sábado, o ator e cineasta foi homenageado na atual edição do Festival do Rio, com uma exibição especial de Vai Trabalhar, Vagabundo, no Cinépolis Lagoon, na zona sul da cidade. Dentro da programação do festival, o filme volta a ser exibido neste domingo, às 18h, no Ponto Cine, em Guadalupe , na Zona Norte do Rio. Hugo Carvana era casado com a jornalista Martha Alencar, com quem teve quatro filhos.

Além de atuar, ele também dirigiu os filmes "Casa da mãe Joana (2007), "Não Se Preocupe, Nada Vai Dar Certo" (2009), "O homem Nu" (1996), "Bar Esperança, O Último Que Fecha" (1982), "Se Segura, Malandro" (1977) e "Vai Trabalhar, Vagabundo" (1973).

Com informações do iG e da Agência Brasil

Você pode gostar