Mais dois acusados de participar de aborto e morte de grávida são presos

Segundo delegado responsável pelo caso Jandyra, 9 pessoas foram indiciadas pelo crime e duas estão foragidas

Por O Dia

Rio - Mais duas pessoas acusadas de envolvimento na quadrilha que fazia abortos em clínica clandestina - onde a auxiliar administrativa Jandyra Magdalena dos Santos morreu -, em Campo Grande, Zona Oeste do Rio, foram presas na manhã desta sexta-feira. De acordo com o delegado Hilton Pinho, titular da 35ª DP (Campo Grande), ao todo 9 pessoas foram indiciadas por participação no crime, sendo que duas estão foragidas. 

Corpo de Jandira foi encontrado no dia 27 de setembro; ela teve membros e arcadas arrancadosReprodução

Nesta quarta-feira, o falso médico Carlos Augusto Graça de Oliveira, que fez o procedimento na vítima, se entregou à polícia. No mesmo dia, policiais militares do 40° BPM (Campo Grande) detiveram Débora Dias Ferreira, que, segundo a polícia, seria a motorista do carro que levou a vítima ao local. Segundo o delegado, Carlos Augusto tinha 10 passagens pela polícia, sendo oito registros por abortos e outros dois por exercício ilegal da medicina.

Lei eleitoral impede prisão de falso médico que fez aborto em Jandyra

Também estão presos Rosemere Aparecida Ferreira, considerada a chefe da quadrilha; Vanuza Vais Baldacine, motorista do bando; Marcelo Eduardo Medeiros, que alugava o imóvel para a clínica e Mônica Gomes Teixeira, que recepcionava as clientes, haviam sido presos.

Os nomes dos dois presos nesta sexta-feira ainda não foram divulgados. E entre os dois foragidos, está Jadir Messias da Silva, um taxista também acusado de ser o motorista do grupo.

Jovem ficou desaparecida após cirurgia

A auxiliar administrativa Jandyra Magdalena Cruz estava grávida de quatro meses e morreu após um aborto realizado em uma clínica clandestina em Campo Grande, no dia 26 de agosto. Ela ficou desaparecida e seu corpo foi encontrado carbonizado dentro de um carro em Guaratiba, no dia 27 do mês passado.

Família de grávida morta após aborto exige justiça

Jandyra Magdalena foi sepultada no dia 28 de setembro, no Cemitério de Ricardo de Albuquerque, na Zona Norte. Após o aborto, seu corpo foi encontrado carbonizado dentro de um carro em Guaratiba, no dia 27 do mês passado.

Últimas de Rio De Janeiro