Pezão chama Crivella de 'lobo em pele de cordeiro' e de 'falso bispo'

Candidato à reeleição pelo PMDB acusa Marcelo Crivella (PRB) e Igreja Universal de promoverem 'guerra santa'

Por O Dia

Rio - "Quem é ele para dizer que estou fazendo uma guerra religiosa. O Crivella e a Igreja Universal cresceram fazendo guerra religiosa. Todo mundo se lembra como o sócio do Bispo Crivella (Bispo Edir Macedo), no dia de Nossa Senhora Aparecida, citou a santa". Essas palavras foram ditas pelo governador e candidato à reeleição Luiz Fernando Pezão (PMDB) durante uma carreata no Parque Flora, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na manhã deste sábado.

Luiz Fernando Pezão fez carreata em Nova Iguaçu%2C neste sábadoCarlo Wrede / Agência O Dia

Pezão rebateu as críticas de seu adversário no segundo turno, o candidato ao governo do Estado do Rio pelo PRB Marcelo Crivella, de que ele esteja promovendo uma "guerra santa". Em seu discurso, o governador ainda chamou seu opositor de "lobo em pele de cordeiro" e de "falso bispo".

Leia mais:

Crivella desiste de proibir as pesquisasMarcelo Crivella cancela participação no 'Encontro do Comércio'Garotinho e Crivella: 'Objetivo é ficar contra a quadrilha Cabral, Pezão e PMDB'Delator diz que parte da propina dada a BPM da Ilha ia para o Comando-GeralPezão e Crivella fazem feroz primeiro debate do segundo turno na OAB

"Quem comprou horários nas outras emissoras e tirou o R. R. Soares, o Valdemiro Santiago e o Silas Malafaia foi a Universal. Todo mundo sabe quem faz guerra religiosa. As pessoas têm que conhecer quem está por trás", afirmou o governador, que emendou: "Vamos ver a aliança do Bispo Crivella. As pessoas sabem que votando no Crivella estarão votando no Garotinho. Está sendo desnudada a aliança", disse Pezão.

"Não deixarei passar calado os ataques que eles estão me fazendo. Não adianta ficar durante o dia quando está a imprensa me acusando e chegar no debate e ficar com aquela cara de lobo em pele de cordeiro, ficar com aquela linguagem de um falso bispo. Vamos colocar os pingos nos Is", afirmou Luiz Fernando Pezão.

Últimas de Rio De Janeiro