Por paulo.gomes

Rio - Uma família acusa os médicos do Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, de omissão de socorro. Segundo informações, na manhã desta segunda-feira, Aline da Silva Gomes, de 23 anos, teve um bebê a caminho do hospital. Chegando na unidade, um médico afirmou que só poderia fazer o atendimento dentro do hospital. A menina, que se chamaria Isabela, morreu um pouco antes da chegada de um maqueiro.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Saúde (SES), a direção do Adão Pereira Nunes já realizou uma pré-apuração sobre o atendimento. Além disso, as informações serão encaminhadas para a comissão de ética da Unidade e para a SES. Ainda segundo a nota oficial, "serão adotadas ações efetivas, uma vez que a Secretaria repudia a atitude de quaisquer profissionais que porventura se recusem a prestar atendimento a pacientes que buscam as unidades de saúde da rede pública estadual".

Segundo informações da 61ª DP (Xérem), foi instaurado procedimento investigativo para apurar omissão de socorro seguida de morte. Foram ouvidos funcionários do hospital, a mãe e o pai do bebê e testemunhas. O corpo da criança foi encaminhado para exame de necropsia no Instituto Médico Legal (IML) para saber a hora e a causa da morte. Além disso, os médicos que estavam de plantão já foram identificados e serão chamados para prestar depoimento. As câmeras de segurança da unidade hospitalar também estão sendo analisadas pela delegacia.



Você pode gostar