Por felipe.martins

Rio -  Começa nesta quarta-feira a produção em série de escolas de turno integral no município do Rio. Às 10h30, o prefeito Eduardo Paes inaugura a primeira de quatro fábricas que vão possibilitar a implantação dessas unidades, que terão turmas reduzidas, salas climatizadas e professores em regime de dedicação exclusiva. Como O DIA antecipou em setembro do ano passado, o Rio deve ganhar, até 2016, 136 novas escolas municipais neste padrão e adaptar outras 77 já existentes, num investimento de cerca de R$ 2,1 bilhões.

Ilustração divulgada pela prefeitura mostra como serão as unidades%3A numa delas%2C na Maré%2C será oferecido aos jovens ensino profissionalizanteDivulgação

As construções serão feitas pelo programa Fábrica de Escolas do Amanhã, inspirada no modelo criado pelo ex-governador Leonel Brizola na implantação dos Cieps. A meta é ampliar de 20,7% para 35% a quantidade de escolas de Ensino Fundamental (escolas, creches e Espaços de Desenvolvimento Infantil, EDIs) que passarão a funcionar sete horas por dia. Com o aumento das unidades em turno único, 225 mil alunos terão mais tempo de aula de Português, Matemática e Ciências. As primeiras unidades serão entregues no segundo semestre de 2015.

A primeira das quatro Fábricas de Escolas do Amanhã Governador Leonel Brizola será inaugurada hoje, na Ilha do Governador, pelo prefeito Eduardo Paes. Ali, será feito o armazenamento e logística de equipamentos e módulos. As demais serão instaladas na Zona Oeste, nos bairros do Anil, Bangu e Sepetiba. Na fábrica, que fica na Avenida Brigadeiro Trompowski, estão sendo erguidas 25 unidades educacionais: dez EDIs, dez primários e mais cinco ginásios.

Uma das principais construções da fábrica será o Campus Educacional da Maré. Orçado em R$ 125 milhões, o complexo vai próximo à Vila Olímpica, atendendo a 10 mil crianças.
O espaço vai reunir um EDI (para crianças de 6 meses a 5 anos e 11 meses), cinco escolas do 1º ao 5º ano e uma do 6º ao 9º ano. O local terá ainda uma escola de Ensino Médio Regular e EJA (Educação de Jovens e Adultos), que será construída pelo governo estadual.

Salas climatizadas estão no projeto%3A primeiras unidades serão entregues no segundo semestre de 2015Divulgação

A unidade terá ensino profissionalizante. Além do complexo, serão investidos R$ 236 milhões na construção de dez escolas. “Estamos extremamente satisfeitos por entregar um novo cenário para a educação carioca. Esse modelo é fundamental para seguirmos o passo dos países que mais avançaram em educação nas últimas décadas e garantirmos ensino de qualidade aos nossos alunos”, disse a secretária de Educação, Helena Bomeny.

Brizola criou tecnologia para construção dos Cieps

O modelo de construção de unidades escolares por módulos e em tempo reduzido foi inspirado no projeto Fábrica de Escolas, implantado na década de 80, pelo então governador Leonel Brizola. O projeto criado por ele se tornou referência no país ao propor ensino público de qualidade em tempo integral. A ideia era que as crianças passassem o dia todo nas escolas, onde fariam todas as refeições e teriam aulas e atividades extraclasse.

De acordo com Plano Educacional inovador, criado por Brizola e que lançou os CIEPs — Centros Integrados de Educação Pública — era preciso ampliar a oferta de vagas na Rede Pública Estadual. Para cumprir as metas, necessitava da construção em série de escolas com custos baixos. A solução foi utilizar a tecnologia da argamassa armada nas construções.

Além de conceber a estrutura dos Cieps, a Fábrica de Escolas e Equipamentos Urbanos do Rio, na Praça Onze, era responsável pela construção de bancos de praça, abrigos de ônibus, arrimos de encostas, entre outros. De lá, saíam os módulos que entravam na construção das Casas da Criança (unidades voltadas para o pré-escolar) e de Casas Comunitárias, que ofereciam atendimento médico e odontológico. Durante sua gestão, foram entregues mais de 500 Cieps.

Você pode gostar