Por paloma.savedra

Rio - O Dia de Finados foi celebrado e lembrado de uma forma diferente e criativa na Praia de Copacabana, na tarde deste domingo . Cerca de 500 ‘mortos-vivos’ participaram da caminhada de zumbis na orla do bairro que seguiu até a Pedra do Arpoador.

Em sua oitava edição, a ‘Zombie Walk’, evento público organizado pelas redes sociais por um grupo de fãs da temática zumbi, chamava a atenção de quem passava pela Avenida Atlântica, em frente ao Copacabana Palace. Principalmente pela caracterização bem feita da maioria dos participantes, galera que caprichou nos detalhes. 

Zombie Walk leva 500 participantes para a orla da Zona Sul

Organizadora do evento, a publicitária Névia Lefou, 25, relata que a Zombie Walk começou no Canadá, em 2005, e ganhou uma versão carioca desde 2007. Segundo ela, o objetivo é reunir os ‘amantes’ de filmes de terror para confraternizar. “A Zombie Walk já se espalhou em várias cidades do Brasil. Aqui no Rio, a cada ano que passa vem aumentando mais o número de adeptos. A ideia é trocar experiência e nos divertir”, contou Névia Lefou, fantasiada de palhaça zumbi.

'Zumbis' caminharam na orla de Copacabana, na Zona Sul; irreverência, humor e caracterização entre os fãs de terrorBruno de Lima / Agência O Dia

E o que não faltou foi inspiração. As caracterizações chamavam atenção dos pedestres que elogiavam a perfeição. Muitos já se concentravam antes mesmo da partida, na Rua Rodolfo Dantas, esquina com a Praia de Copacabana. No local, os aprticipantes se maquiaram e trocaram ideias e informações. 

O arte finalista Issac Santos, 26, levou duas horas e meia para se caracterizar de lenhador macabro. “Depois que descobri a Zombie Walk venho todo o ano. É como se fosse um Reveillon para mim. A primeira vez fiz uma maquiagem mais simples e conforme o ano passa aprimoro a fantasia”.

O evento também ganhou adeptos mirins. Vitória Oliveira, de seis anos, fã de filmes de terror, estava entusiasmada em participar pela primeira vez do evento. “Meu zumbi levou um tiro na testa”, conta aos risos a criança. “Ela achou fraco o filme Annabelle”, disse sua tia Gabriele Oliveira, 27.

Você pode gostar