Por paloma.savedra
Publicado 04/11/2014 18:24 | Atualizado 05/11/2014 14:45

Rio - Sob o risco grave e iminente à integridade física dos trabalhadores, o Ministério do Trabalho embargou a obra de ampliação do Elevado do Joá - realizada pelo consórcio Barra-São Conrado -, nesta terça-feira. Os fiscais da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Rio de Janeiro vistoriaram o local no dia 23 de outubro e constataram diversas irregularidades nas intervenções, e embargaram também a construção da ciclovia na Avenida Niemeyer.

Em Relatório Técnico, a equipe de fiscalização apontou as falhas na obra do Joá. Entre elas, o uso de instalações móveis para áreas de vivência sem proteção contra choque elétrico. Também foi constatada a falta de prevenção em diversas atividades.

Segundo os fiscais, não havia instalação de proteções coletivas nos locais com risco de queda de trabalhadores ou de projeções de materiais. Também não havia sistemas de segurança em zonas de perigo de máquinas. Ainda de acordo com o relatório, não havia sinalização de advertência noturna. Os fiscais também interditaram as bombas de sucção e perfuratrizes da obra.

A Inspeção do Trabalho estabeleceu providências que deverão ser tomadas pelo Consórcio para o desembargo e a desinterdição. Serão também lavrados autos de infração de acordo com a situação encontrada.

Consórcio poderá retomar obras

O órgão ressaltou que, apesar do embargo, nesse período a empresa pode desenvolver atividades "necessárias à correção da situação de grave e iminente risco, desde que adotadas medidas de proteção adequadas dos trabalhadores envolvidos". 

Para retomar as obras,  o consórcio deverá corrigir as irregularidades e fazer um requerimento, solicitando nova inspeção no local.

Com a ampliação, o Joá ganhará duas pistas paralelas às existentes, com cinco quilômetros de extensão (somados viadutos e túneis) cada uma, no tabuleiro superior (sentido São Conrado-Barra).

As obras estão sendo realizadas das imediações da Igreja de São Conrado até a Avenida Ministro Ivan Lins, na Barra da Tijuca. O projeto prevê ainda uma ciclovia contígua às faixas de rolamento do elevado, do lado do mar. Ela será interligada a outra via para bicicletas, ao longo da Avenida Niemeyer.

Os trabalhos vão durar dois anos, e a previsão é que sejam concluídos às vésperas das Olimpíadas.

Embargo não causará atrasos, promete consórcio

De acordo com o consórcio Barra-São Conrado, responsável pela realização das obras do Novo Joá, as interdições momentâneas solicitadas pelo Ministério do Trabalho envolvem duas frentes de serviço e, segundo a empresa, o embargo não trará prejuízo ao cronograma de entrega da obra.

A nota enviada pelo consórcio informa também que "as obras do Novo Joá compreendem a construção de um novo elevado com duas novas pistas, um viaduto, uma ponte, dois novos túneis e uma ciclovia de 3 km, interligando São Conrado à Barra da Tijuca".


Você pode gostar