Prêmio Patrícia Acioli é entregue

Estudantes ganham tablets por trabalhos sobre direitos humanos

Por O Dia

Rio - A presença da apresentadora Xuxa Meneghel emocionou baixinhos e altinhos na 3ª Edição do Prêmio Juíza Patrícia Acioli de Direitos Humanos, no Theatro Municipal, na terça à noite. Aclamada pela plateia, ela pediu menos violência e defendeu a chamada Lei da Palmada. “Muitos podem discordar, mas violência não educa”, afirmou.

A apresentadora entregou a Maria Eduarda Ramos da Silva, de 14 anos, um tablet e um troféu que conquistou a categoria Redações dos Alunos do Ensino Fundamental, com o tema Brasil, Cidadania e Direitos Humanos. Ela é aluna do Colégio Municipal Amaral Peixoto, em São Gonçalo. Rafael Tavares Porto, do Colégio Municipal Castelo Branco, em São Gonçalo, também foi premiado.

Nas outras categorias, Trabalhos Acadêmicos e Práticas Humanísticas (ambas com tema Educação e Direitos Humanos: A pessoa em primeiro lugar), os vencedores receberam prêmios em dinheiro, que variaram entre R$ 5 mil e R$ 15 mil.

Em clima de confraternização, os apresentadores, o ator Mateus Solano e a bailarina Ana Botafogo fizeram as honras da noite, que contou com a presença da família da magistrada. O Patrícia Acioli foi criado em 2012, um ano depois da morte da juíza, que trabalhava na 4ª Vara Criminal de São Gonçalo. Ela foi assassinada após decretar a prisão de 11 policiais militares.

Últimas de Rio De Janeiro