Bandidos usam até rapel para invadir casas do Cosme Velho

Ladrão fez roleta-russa apontando para cabeça de refém em assalto a Zelito Viana

Por O Dia

Rio - O bando que assaltou a casa do cineasta Zelito Viana, de 76 anos, na noite de sexta-feira e que vem aterrorizando moradores do Cosme Velho, é especializado em rapel — técnica de montanhismo, com escaladas feitas por cordas. A quadrilha é suspeita de praticar no local outros cinco assaltos a residências e uma tentativa de roubo nos últimos dois meses usando o método, segundo a Associação de Moradores da Rua Senador Pedro Velho. Há 12 dias, para invadir uma das casas, os criminosos conseguiram transpor uma muralha de quase 20 metros de altura. 

Muro de quase 20 metros de altura de casa de vítima de assalto no Cosme Velho%2C não foi suficiente para impedir que ladrões entrassem no imóvel de rapelSeverino Silva / Agência O Dia


Ontem, três amigas de Zelito revelaram detalhes da ação dos bandidos. Elas estavam junto com o cineasta, a mulher dele, a produtora Vera de Paula, e o caseiro. Todos passaram três horas sob ameaças de morte, amarrados, amordaçados e espancados com coronhadas, socos e pontapés por cinco criminosos armados de pistolas e encapuzados. Até roleta-russa um dos ladrões chegou a fazer, apontando para a cabeça de uma das reféns.

“A situação está crítica. A polícia não consegue identificar e nem prender ninguém, mesmo com câmeras de segurança. Os assaltantes agem sempre da mesma forma, ignorando altura de muros”, lamentou o diretor da associação, Vanor Alves Filho.

As invasões, segundo testemunhas, ocorrem por uma mata, que dá acesso à favela Cerro-Corá. A comunidade conta com uma Unidade de Polícia Pacificadora desde junho de 2013. “No caso do arquiteto, ele também sofreu agressões físicas e teve objetos roubados”, contou Alves. Uma cerca espiral foi colocada no alto do muro depois do crime.

Abaladas, Philomena Gebran, Eloísa Guimarães e Lúcia Siano, contaram que estavam na casa do cineasta na noite de sexta-feira para um jantar quando a casa foi invadida por cinco homens, Elas prestaram depoimento ontem na 10ª DP (Botafogo). Os hematomas das agressões comprovam a extrema violência usada pelos ladrões contra elas.

Mesmo com 80 anos de idade, a ex-professora e pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), autora de vários livros em História Social, Philomena foi uma das que mais apanhou.
“Os bandidos, sempre nos chamando de vagabundas, f.d.p., vadias, velhas corocas, entre outros palavrões, colocaram meias nas nossas bocas e nos amordaçaram e amarraram nossos pulsos e pernas. Mal dava para respirar. Levei coronhadas na cabeça, socos e pontapés. Queriam saber de um suposto cofre, que não existe. Sinceramente, estamos vivas por milagre”, desabafou Philomena ao DIA, mostrando grandes hematomas na testa e nos pulsos.

Em nota, a Polícia Civil informou que agentes da 9ª DP (Catete), que investigam o caso, buscam a identificação dos autores do crime. Zelito, irmão do falecido humorista Chico Anysio, e Vera viajaram ontem para cumprir agenda de trabalho. Este foi o segundo assalto à casa em quatro meses e o quinto em 15 anos.

Tortura mental e agressões

De acordo com a arquiteta Lúcia Siano, o momento mais tenso foi quando um dos bandidos colocou a arma contra a sua cabeça e começou a fazer roleta-russa. “’Olha para mim, safada!Você vai morrer agora’, gritava ele, puxando o gatilho por diversas vezes”, detalhou Lúcia.

A escritora Eloísa Guimarães, que levou tapas no rosto, conta que a tortura psicológica a assustou. “Chegaram a levar Vera para o banheiro e voltaram dizendo para o Zelito que ele tinha ficado viúvo”, disse.
A quadrilha fugiu levando três aparelhos de TV, um notebook em que Zelito escrevia um livro, câmeras fotográficas, bebidas importadas, Iphone, Ipad, jóias, entre outros objetos de valor e cerca de R$ 500. O bando entrou pelos fundos da casa, pulando muro de sete metros de altura. 

Violência persegue família

A família de Zelito Viana é marcada pela violência imposta por criminosos. Nos últimos 15 anos, sua casa no Cosme Velho foi alvo de ladrões por outras quatro vezes. Em algumas, Zelito e Vera de Paula foram torturados física e psicologicamente.

O maior pesadelo aconteceu em 2000, quando foi morto em Teresópolis,Rildo de Oliveira Gomes, de 37 anos, amigo de infância e administrador da fazenda do ator Marcos Palmeira, filho de Zelito. O<MC0> assaltante Marcelo Wermelinger acabou condenado a 21 anos de prisão, só foi preso em meados de 2007, em Itaocara, Noroeste Fluminense.

Últimas de Rio De Janeiro