Rua no Cosme Velho tem segurança privada que custa R$ 600 por mês

Moradores da rua onde cineasta foi assaltado têm segurança privada, mas continuam apavorados

Por O Dia

Rio - A Rua Senador Pedro Velho, no Cosme Velho, conta com serviço de segurança privada que custa cerca de R$ 600 por mês a cada um dos 22 moradores do local. Na via mora o cineasta Zelito Viana, que teve a casa assaltada na sexta-feira pela quinta vez — a segunda em quatro meses. A empresa fornece guardas, câmeras de monitoramento e guarita. Nos imóveis também é possível observar que a maioria conta com cachorros e grades.

O aparato, porém, não amedronta criminosos. Segundo moradores, o roubo da semana passada foi o quinto caso de assalto a residência na rua neste ano. De acordo com o diretor da associação de moradores da Senador Pedro Velho, Vanor Alves, que realizou uma reunião com vizinhos ontem para pensar em novas medidas, o auxílio-extra não adianta porque os bandidos vêm da mata para os fundos das casas. Ele também declarou que não viu o reforço no policiamento prometido no final de semana pela Polícia Militar.

No Cosme Velho%2C é comum ver cancelas%2C guaritas e vigilantesSeverino Silva / Agência O Dia

Segundo outro morador, eu não quis se identificar, a situação se agravou nos últimos dois meses, e os bandidos estão cada vez mais violentos. “Minha casa foi assaltada há 10 anos, e os ladrões não foram presos até hoje. O problema, além da falta de segurança, é a impunidade. Eles assaltam uma casa, veem que a polícia não faz nada, e assaltam outra”, diz.

De acordo com a PM, que usou dados do 2º BPM (Botafogo), responsável pela área, neste mês foram registrados três roubos a residência no Cosme Velho. Ainda segundo a PM, o policiamento na região é feito com patrulhamento e operações de vistoria de veículos nas entradas e saídas do bairro.

A 9ª DP (Catete), que atende os bairros do Cosme Velho, Catete, Flamengo, Glória e Laranjeiras, registrou 113 roubos e 194 furtos no mês passado. No mesmo período de 2013, foram 179 roubos e 242 furtos. Desde junho do ano passado, as comunidades que cercam o bairro, como Cerro-Corá, Guararapes e Coroado, têm UPP.

A Polícia Civil, até esta terça-feira, ainda não tinha identificado os cinco assaltantes da casa de Zelito, que torturaram o cineasta e sua mulher, Vera de Paula, e levaram aparelhos eletrônicos e R$ 500. Segundo o delegado Roberto Gomes Nunes, titular da 9ª DP, os agentes realizam diligências e colhem provas para identificar a autoria do crime. A 7ª DP (Santa Teresa) também não localizou os bandidos que assaltaram a casa do maestro Jaime Alem, em Santa Teresa, poucas horas depois do roubo no Cosme Velho.

Últimas de Rio De Janeiro