Vereadores Bolsonaro e Renato Cinco discutem ferozmente na Câmara

Psolista fazia discurso contra a declaração de Jair Bolsonaro quando filho do deputado federal foi tomar satisfação

Por O Dia

Rio - Uma discussão entre os vereadores Renato Cinco (Psol) e Carlos Bolsonaro (PP)  parou a Câmara de Vereadores nesta quarta-feira. O psolista criticava enfaticamente a declaração do deputado federal Jair Bolsonaro (PP), contra a deputada Maria do Rosário (PT) quando, após ser citado, o vereador filho do polêmico parlamentar foi à tribuna onde Cinco discursava, ficando a menos de um metro de distância um do outro para tomar satisfação. Bolsonaro contra-atacou questionando a sexualidade do adversário e Cinco respondeu chamando o oponente de "troglodita" e "brucutu"

Bolsonaro, o pai, durante discurso na terça-feira, na Câmara dos Deputados, disparou contra a também deputada e ex-ministra Maria do Rosário (PT) a frase "não estupro você porque não merece". Bolsonaro, o filho, exibiu, nesta quarta-feira, durante a sessão na Câmara de Vereadores um vídeo em defesa do pai. Após a exibição, Cinco foi à tribuna e referiu-se à atitude do deputado federal Jair Bolsonaro (PP) como "machão troglodita que não tem capacidade intelectual". O vereador tomou as dores do pai e foi à tribuna dando início a uma discussão violenta entre os dois.

"O vereador Carlos Bolsonaro, agindo igual a um valentão de colégio, andando na minha direção, para tentar me intimidar. Vai fazer o quê? Veio admirar minha beleza? Não é o senhor que é contra a homossexualidade? Veio admirar minha beleza por que então? Freud está com razão", disparou o psolista.

O vereador Tio Carlos e um de seus assessores se posicionaram próximos para agir caso Cinco e Bolsonaro fossem às vias de fato. Bolsonaro, que ouvia com um sorriso irônico, antes de deixar a tribuna atacou Cinco questionando sua sexualidade. Cinco rebateu, chamando o adversário de "troglodita" e "brucutu". "Coisa de gente acéfala que não sabe fazer debate político e que defende a ditadura militar".

Após a discussão, Bolsonaro foi à tribuna e, em discurso, questionou novamente a sexualidade do psolista como forma de atacar o adversário politico. "Eu não tenho problema com homossexual, tanto que convivo contigo na Câmara".

"Factóide de Cinco foi caso pensado", diz Bolsonaro

Procurado pela reportagem do Dia nesta quinta-feira, o vereador Carlos Bolsonaro disse 'não ter dúvidas' que o colega de casa pelo Psol agiu premeditadamente. "Que bem que o Psol traz para a sociedade? Nenhum. Inventam fatos, se vitimizam, mas não são vistos em lugar nenhum. Partiram para o ataque ao meu pai, mas não mencionaram que antes ele havia sido atacado pela deputada. Sobre a aproximação ao psolista na tribuna, Carlos Bolsonaro argumentou que "o plenário é ainda público". 

"Se eu quisesse intimidar o vereador, eu chamaria a polícia para ir à casa dele encontrar certo tipo de hortaliça no terreno de seu quintal", ironizou. O vereador Renato Cinco é um ativista defensor da legalização da maconha. "O que aconteceu foi um factóide para ele tentar aparecer, só que a melancia em vez de colocar na cabeça, ele colocou em outro lugar", completou Bolsonaro.

Nesta quinta-feira, Cinco voltou a criticar a atitude do colega de Casa. "É uma postura de acordo coma política que eles defendem. É um discurso que defende a truculência e que age com truculência. O  (Jair) Bolsonaro já deu um soco no Randolfe, já empurrou a Maria do Rosário. Se você não tem liberdade de expresão no parlamento, você acaba com o parlamento", argumentou. Sobre a provocação homofóbica, Cinco disse não ter ficado ofendido. "Tenho a certeza que ele tentou me ofender, mas isso (chamar de veado), não é uma ofensa.  Esse tipo de atitude tem a ver com uma lógica de achar que quem defende a minoria faz parte da minoria. É um tipo de acusação que eu nem perco tempo me defendendo", completou.








Últimas de Rio De Janeiro