Duas das sete vítimas de explosão em restaurante de Petrópolis seguem internadas

Mulheres sofreram queimaduras graves

Por O Dia

Rio - Duas das sete vítimas da explosão em um restaurante da Rua Teresa, em Petrópolis, na tarde da última sexta-feira, seguem internadas e sob observação médica. Jessica Felix Caetano Nunes, de 22 anos, identificada como a funcionária que teria ocasionado o acidente, foi hospitalizada com 30% do corpo queimado com lesões de segundo grau, e Maria José Marchareth de Carvalho, de 46 anos, permanece na UTI do Hospital Municipal Alcides Carneiro, e seu estado de saúde é considerado grave.

Vítima que estava dentro de restaurante no momento da explosão é socorrida pelo Samu e Corpo de BombeirosAline Rickly / Tribuna de Petrópolis

Assim que deu entrada no hospital, Maria José teve que passar por uma cirurgia. Ela tinha 40% do corpo coberto de queimaduras, e, segundo os boletins médicos, as áreas do rosto e tronco foram as mais afetadas. Sua filha, Thamyris Marchareth, de 18 anos, sofreu queimaduras no braço. Ela foi atendida pela UPA do Centro, e foi liberada na noite de sexta-feira.

Explosão em restaurante deixa sete pessoas feridas em Petrópolis

As duas são moradoras do município de Araruama e estavam no restaurante à passeio. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, parentes de Maria José planejam a transferência dela para um hospital do Rio de Janeiro neste domingo.

Uma fonte oficial ouvida pela reportagem explicou que Jéssica colocava álcool em um recipiente de cozinha que estava aquecido por uma chama (recháud), quando aconteceu a explosão. De acordo com o Corpo de Bombeiros, não houve incêndio, apenas o estouro. A assessoria do Hospital Santa Teresa, aonde está internada na enfermaria, informou que a funcionária sofreu queimaduras de segundo grau nos braços, abdômen e nas coxas, mas está consciente e reage bem ao tratamento.

O caso foi registrado na 105ª Delegacia de Polícia Civil (Petrópolis) como incêndio culposo, quando não há intenção de provocá-lo. De acordo com a Prefeitura de Petrópolis, o alvará e a documentação do local estava regularizada.

As outras quatro vítimas foram atendidas e liberadas no mesmo dia com cortes e escoriações. As testemunhas da ocorrência já estão sendo ouvidas, e dentro de até 30 dias a polícia deverá divulgar o resultado da perícia.

Reportagem de Luiza Gomes