Polícia Militar ocupa favelas de onde tráfico expulsara agentes

Seis policiais militares e um civil tiveram que deixar suas casas, em Caxias, sábado

Por thiago.antunes

Rio - Ocupar as comunidades de Santa Lúcia, Rodrigues Alves e Parque Cristovão Colombo, em Parada Angélica, Duque de Caxias, é a principal estratégia da Polícia Militar para retomar as casas de seis policiais militares e um civil invadidas por traficantes, sábado. Como O DIA publicou nesta quarta com exclusividade, os servidores públicos foram expulsos sob a mira de fuzis e granadas. Bandidos fizeram até lista de marcados para morrer.

“Três traficantes já foram presos. Estamos fazendo operações na mata e nas três comunidades por tempo indeterminado. Os policiais que quiserem retornar às suas casas ou pegar pertences há viaturas lá em apoio”, afirmou o comandante do 15º BPM (Duque de Caxias), coronel Ranulfo Brandão. Um dos policiais militares esteve ontem no Parque Cristóvão Colombo para buscar pertences em sua casa. Outro contou à reportagem que passou o último dia do ano procurando um imóvel para alugar, já que a família está com medo de retornar ao local.

Crise na PM

Nesta quarta, a PM informou que o abastecimento de gasolina foi normalizado. Na segunda-feira, houve ordem do Estado-Maior para o racionamento de combustível. Nos bastidores havia ainda a informação de que a PM estudaria a retirada dos aparelhos de ar-condicionado. Ontem, a corporação em nota oficial negou que haja projeto nesse sentido.

E esclareceu que o esquema de segurança no Réveillon foi montado em todo o estado com 15.441 policiais e 2.708 viaturas. Para isso, foram mobilizados batalhões da capital, Baixada, Região Metropolitana, interior e unidades do Comando de Operações Especiais (COE). Nas comunidades com UPPs (UPPs) também foi previsto reforço de 1.325 homens.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia