Deputado quer que policiais ameaçados por traficantes recebam aluguel social

PMs foram expulsos de suas casas em Parada Angélica, Duque de Caxias

Por O Dia

Rio - Buscar apoio da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos para os sete policiais — seis militares e um civil — expulsos por traficantes de drogas de suas casas no Parque Cristóvão Colombo, em Parada Angélica, em Duque de Caxias.

Esta é a meta do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP). Como O DIA publicou com exclusividade dia 31, o grupo foi obrigado a sair às pressas da região por 30 bandidos da facção a Comando Vermelho (CV), armados de fuzis e granadas. Segundo eles, seus nomes figuravam em lista feita pelos criminosos de marcados para morrer.

Recompensa por informações sobre traficante sobe de R%24 1 para R%24 5 milDivulgação

“O caso é prioridade. Já no dia da expulsão tinham que ter mandado o Batalhão de Operações Especiais (Bope). Vou falar com o governador Luiz Fernando Pezão. As famílias e os policias precisam de apoio. Vou sugerir o pagamento de aluguel social provisório pela Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos”, anunciou Flávio Bolsonaro.

Nesta sexta-feira, o portal dos Procurados do Disque-Denúncia aumentou a recompensa pela captura do traficante Jorge Ribeiro, o Zidane ou Bodinho, de R$ 1 mil para R$ 5 mil. Ele é apontado como o autor da ordem contra os servidores públicos. “É importante a sociedade se manifestar a favor dos policiais. Tentamos ajudar a polícia a ser polícia”, afirmou Zeca Borges, responsável pela ONG.

De acordo com as investigações da polícia, Zidane é da Favela Nova Holanda, na Maré. O objetivo dele com a invasão no Parque Cristóvão Colombo é estender a venda de drogas na região. Segundo denúncias, Zidane está sempre na companhia dos traficantes Flecha, que seria um dos homens de confiança da quadrilha, e Pivete, que costuma circular nas Favelas do Jacarezinho e Manguinhos.

Zidane é foragido do sistema penitenciário. Em setembro de 1997, ingressou no presídio Ary Franco. Mas ao ganhar o direito ao regime semiaberto em 9 de novembro de 2001, foi para o Instituto Penal Edgard Costa, de onde saiu e não voltou. Foi recapturado em 1º de agosto de 2003, mas em 2007, novamente, saiu e não retornou mais ao Edgard Costa.

Contra Zidane há três mandados de prisão, expedidos pela 3ª Vara Criminal, por homicídio, e Vara de Execuções Penais, por latrocínio (roubo seguido de morte). Quem tiver informação sobre o paradeiro pode enviar mensagem de texto, vídeo ou fotos para o aplicativo do WhatsApp do Portal dos Procurados (21) 96802-1650, ou entrar em contato com a Central do Disque-Denúncia pelo (21) 2253-1177 ou 0300-253-1177, para quem estiver fora da capital. O anonimato é garantido.

Policiamento está reforçado

O comandante do 15º BPM (Duque de Caxias), tenente-coronel Ranulfo Brandão, garantiu ontem que o policiamento no Parque Cristóvão Colombo continua reforçado. “Desde o dia da expulsão (27/12, um sábado), estamos dando total apoio aos policiais”, afirmou o oficial. Ele só criticou, no entanto, qualquer tipo de policiamento à paisana.

“Vou encaminhar um relatório sobre isso ao Comando de Policiamento de Área da Baixada, que repassará ao Estado-Maior da PM. O reforço na região é fardado”, argumentou Brandão. No dia da invasão, bandidos chegaram à comunidade, por volta das 19h, dando ordens: “Se tiver polícia ou ‘alemão’ (apelido dado a rivais), vai morrer”.

Últimas de Rio De Janeiro