Sol, calor e preço para gringo nas praias

Banhistas aproveitam o último dia do feriado prolongado

Por O Dia

Rio - O céu parcialmente nublado no início da manhã de domingo não afugentou os banhistas na despedida do feriadão. Contrariando a previsão de chuva, o sol apareceu e a temperatura na casa dos 30°C atraiu uma multidão até as areias da Zona Sul do Rio. O que assustou os veranistas foram os valores nas alturas cobrados por comidas, bebidas e até no aluguel dos kits de praia, como cadeira e guarda-sol. Comerciantes aproveitaram as férias e a invasão de turistas para inflacionar os preços de produtos e serviços.

O carioca Marcelo Braz e a noiva%2C a gaúcha descendente de poloneses Verônica Wavrzeniack%2C ficaram assustados com os preços dos quiosques e bares de Ipanema Márcio Mercante

A publicitária Verônica Wavrzeniack, 30 anos, mora em Porto Alegre, e, ao passar as festas de fim de ano no Rio, ficou espantada com a "inflação" na orla. A brasileira reparou que sua descendência polonesa e seu sotaque gaúcho encareciam seus passeios.

“Me cobraram R$ 30 por um guarda-sol e cadeira”, reclamou ela. Pouco depois, chegou seu noivo, o administrador carioca Marcelo Braz, 27, e os mesmos barraqueiros ofereceram o kit por R$ 15. Braz conta que até a própria irmã, também carioca, já sofreu com a situação. Ele diz que os barraqueiros chegam até a comentar que “gringo paga à vontade” e, por isso, cobram até R$ 10 pela lata de cerveja que, em geral, custa R$ 5.

As amigas viajantes Kerstin Haag, 35, da Alemanha, e Rachel Massie, 22, da Austrália, sabem bem como é isso. Questionada se já tinha percebido situações como essa, Rachel contou que pagou R$ 10 por cadeiras de praia há poucos dias e arregalou os olhos ao descobrir que o aluguel custa a metade. Kerstin explica que os comentários sobre o assunto são comuns entre seus amigos também turistas.

“Como esses preços não são fixos, a gente sempre pergunta aos moradores quanto eles pagam. É o jeito de se proteger”, revelou a alemã.

Tática semelhante foi usada pelo administrador Marcello Ogg, 49, de Curitiba. Depois de pagar R$ 12 por cerveja long neck em restaurante do Leblon resolveu conferir os preços nos supermercados.

“Estranhamos muito os valores”, afirmou.

E até quem foi curtir a Praia de Itacoatiara, na Região Oceânica de Niterói, sentiu o gosto amargo da "malandragem". O administrador Jarbas Marins Junior, do Tocantins, pagou uma conta de R$ 25 e, como não recebeu o troco de R$ 5, ficou esperando. Para a sua surpresa, ouviu do ambulante: “Eu te dou amanhã”, acompanhado de um aceno.

'Banho de lua' para fugir do calorão

Nova onda do verão carioca, o banho de mar noturno, que vara madrugada, tem atraído moradores da Zona Norte e da Baixada Fluminense. De carro, moto ou ônibus, eles fogem do calor, se refrescando nos "banhos de lua" na Praia do Arpoador. Junto da família, que veio de Jardim América, o motorista Luiz Carlos Venâncio, 26 anos, aproveitou para assar carne, linguiça e frango em uma pequena churrasqueira no Arpoador, às 3h da madrugada de sábado.

“Enquanto estiver esse calorão e eu puder, penso em voltar”, disse, animado, com a filha Rebeca, de apenas 9 meses.

Como ele, um grupo de amigos trocou o Piscinão de Ramos pela praia. Acompanhado da namorada, Nayara Dantes, 17, o designer gráfico André Luis Guimarães, 20, chegou ao Arpoador à 1h.

“Quero vento e areia de verdade”, comentou ele. No farnel, água, vodca, pão com mortadela e refrigerante, além do violão para embalar a noite.

“Estou adorando”, disse a jovem, debutando no "banho de lua".

Turistas elogiam segurança

A sensação térmica já não era de 50°C, mas o tempo abafado fez um grupo de turistas de Porto Alegre adiar para esta segunda-feira a saída da cidade. Bruna Campos, 24 anos, alugou um apartamento em Ipanema com o namorado e mais um casal de amigos para passar o Réveillon. Ela ficou impressionada com o policiamento reforçado.

“Eu me senti segura tanto na beira d’água como na orla. Estava morrendo de medo de arrastão, mas não vimos nada”, contou Bruna.

Apesar de a turista não ter tido problemas, um vídeo contendo imagens de um arrastão na altura da Rua Teixeira de Melo, no sábado, acabou vazando na Internet. Giulia Costa, 14, filha da atriz Flávia Alessandra, e a amiga Bruna Gepp, 15, estavam alertas.

“Temos muito medo de assalto. Não dá para ficar falando ao celular nem sair com cordões de ouro”, disse Giulia, no Posto 10.

Para prolongar o feriado, Thainá Bastos, 25 anos, garantiu que só sairia da praia à noite.

“Pensei que nem fosse fazer sol. Vou curtir até o último momento.”

Reportagem de Flávia Muniz, Juliana Dal Piva e Marcello Victor

Últimas de Rio De Janeiro