Comércio fecha no Alemão e na Vila Cruzeiro após morte de traficante

Moradores afirmam que comércio fechou após supostas ameaças de traficantes. Policiais negam e falam em boato

Por O Dia

Rio - O comércio no Complexo do Alemão e na Vila Cruzeiro está fechado após supostas ameaças de traficantes. Na Avenida Itaóca, na comunidade Nova Brasília, Zona Norte do Rio, apenas a Igreja Universal está funcionando à meia porta, enquanto todo o comércio da região permanece fechado.

Tráfico ordena fechar o comércio no Alemão%2C em represália a morte do traficante Gordo%2C contrariando a UPP local. Na foto%2C comércio fechado na rua Itararé%2C em RamosPaulo Araújo / Agência O Dia

Alguns moradores, que ficaram com receio de comentar e não quiseram se identificar, disseram que traficantes teriam mandado fechar o comércio desde sábado, quando a Core (Coordenadoria de Recursos Especiais) realizou uma operação no Morro do Céu, no Complexo do Caramujo, em Niterói, e matou Anderson do Nascimento da Silva, o "Gordo" ou "GD". O traficante era o segundo homem na hierarquia do tráfico no Complexo do Alemão. A operação terminou com seis traficantes mortos no total.

LEIA MAIS: Segundo na hierarquia do tráfico no Alemão é morto em Niterói

Na porta de um bar, na esquina da rua Doutor Noguchi, um casal reclamava da falta de opções de comércio. "Com esse calor todo, nem o bar abriu para a gente tomar uma cerveja. O clima está tenso", disse um morador do Lins, que não quis se identificar.

Na Grota, policiais que estavam em uma viatura relataram que a suposta ordem dos traficantes é apenas um boato. "As pessoas estão se baseando neste boato e por medo estão fechando as portas. Na comunidade, os serviços como lan house e padaria estão funcionando", afirmou o PM.

A equipe do O DIA flagrou apenas seis policiais fazendo a ronda a pé na região. Na Vila Cruzeiro, moradores relataram que o clima estava mais tranquilo do que no Alemão. Na Avenida Nossa Senhora da Penha, principal entrada da Vila Cruzeiro, o comércio mais próximo da favela permanecia fechado e os mais afastados estavam abertos.

Em nota, comandantes das UPPs Nova Brasília e Alemão afirmaram que não há registro de confrontos até o momento e que o policiamento segue sua rotina.

Últimas de Rio De Janeiro