Segundo na hierarquia do tráfico no Alemão é morto em Niterói

De acordo com a polícia, 'Gordo' era braço direito do traficante Pezão, chefe do tráfico do Alemão

Por O Dia

Rio - Um dos seis mortos na operação da Core (Coordenadoria de Recursos Especiais), neste sábado, no Morro do Céu, no Complexo do Caramujo, em Niterói, é Anderson do Nascimento da Silva, o "Gordo" ou "GD". Segundo a Polícia Civil, ele era o segundo homem na hierarquia do tráfico no Complexo do Alemão, conjunto de favelas da Zona Norte do Rio, e morreu durante o confronto com os policiais.

De acordo com o delegado Fabrício Oliveira, assistente da Core, "Gordo" era braço direito do traficante Pezão, chefe do tráfico no Alemão, e já havia sido capturado por policiais civis em junho de 2014, na cidade de Búzios, na Região dos Lagos. Na ocasião ele estava acompanhado dos traficantes Piná e 2D.

Policiais da Core realizam operação no Morro do Céu, em Niterói

Seis homens são mortos e seis presos em operação da Core em Niterói

Material apreendido foi apresentado neste sábado na Cidade da Polícia%2C na Zona Norte do RioDivulgação

Subiu para sete o número de presos na operação. Entre os capturados, estão Douglas Alvares Campos, o “Tininho”, e Dênis Gomes Portugual, filho de Maielson Rocha Portugal, que está preso, apontado como um dos autores do homicídio do Sargento Joílson, ocorrido no Caramujo.

Durante a ação, foram apreendidos seis fuzis, uma pistola calibre 9mm, uma submetralhadora UZI, 17 carregadores de fuzil, grande quantidade de munição de diversos calibres, além de cerca de 4.000 sacolés de maconha, seis tabletes da mesma droga e 10.000 pinos de cocaína.

Ainda segundo o delegado Fabrício Oliveira, haveria uma reunião de bandidos de uma facção criminosa em um centro de zoonose no alto da comunidade. Uma operação foi montada para prender os bandidos nesta manhã e teve desdobramento ao longo de todo o dia. Os policiais foram recebidos a tiros e houve confronto.

Um helicóptero da Polícia Civil deu apoio à ação. Segundo moradores, os bandidos efetuaram diversos disparos contra os agentes. Os outros nomes dos suspeitos presos e mortos ainda não foram divulgados.

Últimas de Rio De Janeiro