Shopping vira oásis refrigerado no calorão

Centros comerciais comemoram aumento de 20% no movimento, impulsionado pelo ar-condicionado

Por O Dia

Rio - Conhecido em todo mundo pela combinação de praia, sol e céu azul, o Rio é a cidade perfeita para ser curtida ao ar livre. Apesar disso, o calor que tem batido recordes nos últimos dias levou muitos cariocas a optar por um programa diferente para se refrescar. No lugar de caminhar em algum calçadão, eles preferem passear pelos corredores dos shopping centers para se beneficiar do ar-condicionado .

Os responsáveis pela administração dos centros comerciais admitem o aumento do movimento por esse motivo. Até terça-feira, o Shopping Nova América tinha registrado o fluxo de 720 mil pessoas, 20% a mais que no mesmo período do ano passado. “Podemos creditar boa parte desse aumento à procura pelo ar condicionado de shopping centers”, admitiu a assessoria do shopping, em nota.

Na tarde desta quarta-feira, o auxiliar-administrativo Rodolfo Moreira,de 30 anos, circulava pelos corredores do Nova América com seus dois filhos, Miguel e Gabriel, de 3 e 12 anos. “Viemos passear aqui para aproveitar o ar-condicionado”, admitiu. No local, o movimento era bastante intenso para uma tarde de quarta-feira.

No Norte Shopping%2C Victor e Angélica brindam com um chope o ambiente refrigerado%3A uma opção de lazer que atrai cada dia mais pessoasAlexandre Brum / Agência O Dia

Em outros shoppings, o fenômeno se repete. Victor Dantas, 25, e Angélica Gomes, 23, escolheram tomar um chope em um dos quiosques do Norte Shopping, no Cachambi. Porém, o principal para eles era a refrigeração. “Sem ar-condicionado, não teria chope”, riu Angélica, que mora em Cabo Frio e passa uns dias na cidade.

Perto dali, os estudantes Henrique Carvalho, Gabriel Ragi e Julia Salvador, ambos de 14 anos, resolveram tomar um sorvete. Os três disseram ter ar-condicionado em casa, mas procuravam economizar na conta de luz. “Gasta muita energia”, ponderou Julia.

Já as amigas Ruth Thomaz, 48, e Celeni Toledo, 53, levaram os filhos Ana Luiza Thomaz, 9, e Paulo César Toledo, 10, ao Norte Shopping. As mães contam que têm refrigeração em casa, mas usam apenas durante a noite. “Só duas horinhas para poder aliviar o calor”, contou Celeni.

Rodolfo%2C com os filhos Miguel e Gabriel%3A “Viemos por causa do ar”Alexandre Brum / Agência O Dia

A assessoria do Norte Shopping, Shopping Tijuca, West Shopping, Plaza Shopping e Center Shopping comemora, pois o público junta o útil ao agradável. “Aproveitam o ar-condicionado e acabam usufruindo de outros métodos para se refrescar, como ir ao cinema, tomar sorvete”, afirma, em nota. Se as temperaturas continuarem tão altas, não vai faltar movimento.

Fugindo das altas temperaturas

O calor leva o público dos shoppings a procurar avidamente qualquer recurso para se refrescar. No Norte Shopping funciona uma pista de patinação no gelo que tem registrado um grande movimento. Crystiam Araújo, 20 anos, instrutor de patinação, disse que no período de janeiro a procura dobra. Ele não tem dúvida em apontar o melhor do seu trabalho: “o frio”.

As amigas Ruth e Celeni preferem o shopping, mesmo quando comparado a um dos programas preferidos do carioca: as praias. “São cheias, ficam longe e o sol tem estado muito forte”, diz Ruth, que, assim como Celeni, mora perto do Norte Shopping.

Temperatura nas composições antigas da Linha 2 chega a mais de 34 graus

Quem viaja diariamente na Linha 2 do Metrô já sabe: é preciso evitar as composições antigas, os chamados “azulzinhos”. O ar-condicionado desses trens não suporta tanto calor e o passageiro sente como se estivesse no próprio inferno. Nesta quarta, por volta das 17h30, o termômetro levado pela reportagem do DIA registrou temperatura de 34,6 graus, quando o adequado, segundo a concessionária, é 23 graus.

O termômetro registra 34%2C6 graus dentro de um ‘Azulzinho’Flora Castro / Agência O Dia

“Essa composição antiga parece uma sauna”, reclamava a copeira Claudia Barros, 33, moradora da Pavuna: “Na hora que volto do trabalho só tem o metrô velho”. Para aliviar o calor, ela se abanava com um jornal.

Em nota, o MetrôRio disse que "os trens antigos são programados para operar todo o tempo com temperatura média de 23°C, entretanto, o contato com a pedra brita (que no verão chega a atingir 72°C), a estiagem do período de chuvas e o abre e fecha das portas nas estações podem prejudicar o desempenho do equipamento e causar a sensação de que o ar condicionado está com defeito – principalmente nos trechos em superfície".

De acordo com a concessionária, uma força-tarefa foi montada para inspeção geral dos sistemas de ar-condicionado, "tanto preventiva quanto corretiva". "Sempre que um problema é detectado, a composição é retirada de circulação e enviada ao Centro de Manutenção", afirmou o MetrôRio.

"Para ajudar na rápida localização e ação da equipe de manutenção", a concessionária pede que, sempre que possível, usuários informem o número do carro (localizado ao lado das portas e na parte superior do carro) nos telefones de atendimento ao cliente, 0800 595 1111 ou 4003-2111.

Reportagem de Flora Castro

Últimas de Rio De Janeiro