Enquanto alunos da Uerj sofrem com calor, ares-condicionados ficam estocados

Assessoria da universidade afirmou que ainda não há previsão de conclusão da instalação dos aparelhos

Por O Dia

Rio - Após protestos de alunos da Uerj, que sofrem com o calor e a ausência de ares-condicionados nas salas das instalações da faculdade, o DIA recebeu, nesta sexta-feira, por meio do WhatsApp (98762-8248), uma foto em que aparecem vários aparelhos estocados em um depósito próximo ao bandejão do campus Maracanã, na Zona Norte do Rio. 

Aparelhos estão estocados próximo ao bandejão da UERJ do campus MaracanãWhatsApp O DIA (98762-8248)

Questionada, a assessoria da universidade informou que os aparelhos já foram comprados — o que fica comprovado na imagem. No entanto, ainda está em processo de instalação, sem previsão de término. "Pretendemos instalar os aparelhos em todo o campi o mais breve possível", disse a assessoria. 

Descamisados

O calor nas salas de aula tem prejudicado tanto os alunos, que, nesta quarta-feira, eles fizeram um protesto ousado em virtude da alta temperatura que atrapalha o aprendizado dentro de sala. Alunos de Engenharia Ambiental tiraram a camisa e chamaram o local de "sauna de aula". A foto foi postada na página do Facebook "Uerj da Depressão" e já teve mais de 5 mil compartilhamentos. 

Seguindo o exemplo dos alunos do campus Maracanã, estudantes do campus de São Gonçalo, realizaram nesta quinta-feira o "biquinaço", um protesto também contra o intenso calor dentro das salas. Os alunos da Faculdade de Formação de Professores (FFP) desfilaram pelos corredores e salas de aula da instituição apenas com roupas de banho para chamar atenção para a falta de ar-condicionado no local. 

Alunos da Uerj de São Gonçalo usam roupas de banho em protesto contra o calor nas 'saunas de aula'Reprodução Facebook

Outros problemas envolvem a universidade

A falta de equipamentos nas salas não é a única crítica feita pelos estudantes e docentes da universidade. Em dezembro, a Uerj teve de suspender as aulas e antecipar o recesso devido à falta de verbas.

Funcionários de empresas terceirizadas responsáveis pela limpeza e manutenção do prédio ficaram sem pagamento e o campus ficou completamente sujo.

No dia 17 de dezembro, os auxiliares de limpeza fizeram uma manifestação, com apoio dos estudantes, e espalharam lixo pelos corredores.

Alegando já estar solucionando os problemas, a universidade voltou a funcionar e os alunos que tiveram o período interrompido estão repondo as aulas neste mês de janeiro.

A Uerj atrasou ainda o pagamento de salários de docentes e bolsas de estudantes. De acordo com a universidade, só a partir do dia 17 de janeiro eles devem começar a ser pagos.





Últimas de Rio De Janeiro